Aguarde...

cotidiano

Covid: abril tem percentual de internação recorde em adultos entre 30 e 49 anos

Tendência de mais jovens internados por covid tem ligação com a segunda onda e o registro de novas variantes

| ACidadeON Campinas

Efeito da vacinação em idosos também é um dos motivos de maior percentual de jovens internados (Foto: Denny Cesare/Código19)
Um levantamento das internações de pacientes com covid-19 neste mês de abril em Campinas divulgado pela secretaria de Saúde apontou que a maior parte desses pacientes tinha menos de 60 anos. O dado também mostrou que abril foi o mês com índices recordes no percentual de internações de pessoas com idades na faixa etária entre 30 e 49 anos

Segundo o balanço divulgado pela Prefeitura com dados até a última semana, neste mês o índice de internações de pessoas com idade entre 30 e 39 anos é de 11,6% (o maior desde o começo da pandemia). Já em adultos entre 40 e 49 anos, o percentual é de 19,9%, também o maior desde março do ano passado.

A faixa etária responsável pelo maior número de internações também não é de idosos, sendo que 24,9% dos internados na cidade são pessoas com idade entre 50 e 59 anos. No mês passado, a internação desse grupo era de 20,9%. No pior mês da pandemia no ano passado, em julho, o percentual de pessoas internadas nessa faixa etária foi de 17,1%. A secretaria divulgou apenas os percentuais e não os números de pacientes. 
  
No início da pandemia, os idosos eram a grande maioria entre os internados. Essa foi a primeira vez neste ano que o número de internados jovens ultrapassou o de idosos, tendência que foi citada pelos gestores da Saúde com a segunda onda e o registro de novas variantes (leia mais abaixo).

Ontem, a cidade atingiu três mil mortes pela doença desde que a pandemia começou em março do ano passado (leia mais aqui). 
 
MOTIVOS DO AUMENTO 

Segundo a médica infectologista e coordenadora da Vigilância de Agravos e Doenças Transmissíveis do Devisa (Departamento de Vigilância em Saúde), Valéria Correa de Almeida, hoje há um deslocamento da faixa etária responsável pela maioria das internações.

"A gente vê uma queda acentuada no percentual de internações de idosos. O público não vacinado começa a ser mais prevalente nas internações. Começamos a ter uma maioria, formada por mais jovens doentes, e um índice importante na faixa etária entre os 50 aos 59 anos, que alguns já têm comorbidades, mas que não tínhamos muitos registros no ano passado", afirmou.

IDOSOS SAINDO DOS HOSPITAIS

Atualmente, os pacientes idosos, com mais de 60 anos, representam minoria entre os internados, sendo 40,6% dos pacientes nos hospitais neste mês de abril. A maior parte 59,3% dos pacientes tem menos de 60 anos.

Segundo a infectologista, a vacinação já mostra efeitos neste mês. "Como os idosos estão imunizados, o predomínio agora é da faixa etária com mais comorbidades, com mais doenças, os mais velhos entre os que não foram vacinados". 
 
LEIA TAMBÉM 
Após vacina, mortes de idosos com mais de 80 anos caem 52% em Campinas


Valéria explicou ainda que nesse mês de abril já é visto o efeito da vacinação com desvio dos internados. "Não é que acomete mais jovens, acontece que o percentual se desloca porque não tem mais tantos idosos com casos graves", explicou.

Neste mês, a cidade ainda zerou o percentual de internações em maiores de 90 anos. Além disso, houve queda no percentual de internados em todas as faixas etárias de idosos.

CENÁRIO ATUAL

Até ontem (29), segundo dados divulgados pela Saúde, não havia leito livre no SUS (Sistema Único de Saúde) municipal em Campinas, com taxa de ocupação em 100%. Ainda segundo a pasta, há 20 pacientes à espera de leitos de enfermaria ou de UTI na rede municipal.

Apesar da lotação total, os indicativos atuais mostram uma melhora na pressão, disse a coordenadora do Devisa.

"Temos observado uma diminuição nas internações, ainda é uma demanda alta, mas temos observado que casos sintomáticos têm diminuído, e os casos de internação também. O que acontece é que a gente ainda tem uma internação alta com ocupação de leitos porque os doentes tendem a permanecer muito tempo internados", disse.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON