cotidiano

Especial coronavirus

Limitação de eventos: entenda novas regras em Campinas

Shows e grandes eventos terão 50% de público; restrição não vale para igrejas, bares e restaurantes

| ACidadeON Campinas -

Festas e shows voltam a ter limitação de público em Campinas (Foto: Luciano Claudino/Código19)
 

Para tentar controlar a transmissão do coronavírus, principalmente da variante ômicron, a Prefeitura de Campinas decidiu reduzir pela metade a presença de público em locais de grandes eventos. A medida afeta, por exemplo, feiras e shows organizados na cidade. 

A limitação de 50% da capacidade dos espaços, no entanto, não inclui igrejas, bares e restaurantes. Nestes casos, a restrição só será válida se os locais programarem algum tipo de apresentação, ou evento que possam gerar grandes aglomerações sem distanciamento. 

"A regulamentação é para grandes eventos. Bares e restaurantes o decreto não abrange. Shows são abrangidos sim, mas igrejas não", disse o prefeito, Dário Saadi (Republicanos), que lembra que o distanciamento e o uso de máscaras seguem preconizados.  

LEIA MAIS
Com alta de covid e gripe, Campinas avalia suspensão de volta presencial às escolas
Campinas veta festas privadas de Carnaval e limita eventos

EVENTOS PRIVADOS 

O decreto com a regra será publicado nesta sexta (14) e terá validade a partir de sábado (15). Com isso, casas noturnas que recebem shows e apresentações, e também espaços para feiras, simpósios e congressos terão que respeitar a limitação de 50% de público. 

Apesar de também valer para jogos e eventos esportivos particulares em Campinas, a medida não valerá para disputas que envolvam atletas e participantes profissionais. Neste caso, a recomendação de 70% da capacidade, feita pelo estado, terá que ser respeitada. 

EM LUGARES PÚBLICOS 

Questionado sobre a realização de eventos em locais e áreas públicas, ao ar livre, ou não, como a Lagoa do Taquaral, a Praça Arautos da Paz e a Estação Cultura, o prefeito de Campinas, Dário Saadi, explicou que a análise do município será feita caso a caso. 

"Em princípio, estamos tratando desta forma: com limitação de 50%, mas estamos analisando evento por evento. Aqueles que aglomeram muito a gente está discutindo com organizadores a possibilidade de talvez fazer um adiamento. E é claro: se o evento for autorizado, ele vai ter que obedecer a regra dos 50%", explicou o chefe do Executivo.

Mais notícias


Publicidade