cotidiano

Especial coronavirus

Afastamentos por doenças respiratórias reduzem cirurgias eletivas

Procedimentos de emergência e oncológicos inadiáveis estão mantidos

| ACidadeON Campinas -

Hospital Ouro Verde (Foto: Denny Cesare/Código 19)
 

O número crescente de afastamentos de profissionais de saúde com covid-19, ou doenças respiratórias na Rede Mário Gatti, em Campinas, reduziu a realização de cirurgias eletivas. Somente os procedimentos de emergência e oncológicos inadiáveis estão mantidos.

A informação foi confirmada pela pasta de Saúde nesta sexta-feira (14), em meio ao aumento de casos confirmados e suspeitos da gripe e da doença causada pelo coronavírus. A situação obrigou o município a contratar mais equipes para o atendimento.

Atualmente, 60 profissionais da rede estão afastados. O total corresponde a 5% da força de trabalho existente nos hospitais municipais Mário Gatti e Ouro Verde, no Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e nas UPAs (unidades de pronto atendimento).

Considerando os trabalhadores da rede e das demais unidades de saúde da cidade, ainda segundo a secretaria, são 350 profissionais afastados. Somente nos primeiros dias do ano, o total de afastamentos aumentou de 129 no dia 4 de janeiro para 300 no dia 10.

OUTROS REFLEXOS

Também por culpa da alta incidência de sintomas respiratórios no local, a visita aos pacientes da ala de neurocirurgia do Hospital Dr. Mário Gatti, em Campinas, foi suspensa. A medida passou a valer nesta sexta (14). O anúncio foi feito no final da tarde de quinta (13).

Com isso, o boletim médico passou a ser presencial e realizado pelo médico assistente do paciente na sala de espera da visita, de segunda a sexta-feira, das 10h às 10h15, segundo o hospital. Enquanto isso, os resultados de testes feitos no local devem ser divulgados. 

Além disso, ressalta que a adoção de medidas de prevenção é obrigatória, como uso de máscara, lavagem das mãos, ou uso de álcool em gel na entrada e na saída.

Na quarta (12), o hospital anunciou a redução do tempo de visita aos pacientes internados. Segundo a Prefeitura de Campinas, a medida também ocorreu por conta da nova onda de casos de covid-19 e de gripe e visa proteger os pacientes.

No anúncio sobre a medida, no qual detalhou que o tempo de visita foi reduzido de 30 para 15 minutos, a unidade também pede que apenas um representante da família realize a visita durante todo o período de internação.

Mais notícias


Publicidade