cotidiano

Especial coronavirus

Campinas libera máscara em local fechado; exigência segue em escolas

Decreto será publicado neste sábado e exige proteção facial em ambientes fechados nas escolas; entenda

| ACidadeON Campinas -

 

Máscaras não serão mais obrigatórias na maioria dos locais fechados de Campinas (Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

A Prefeitura de Campinas anunciou nesta sexta-feira (18) que o uso de máscaras não será mais obrigatório em locais fechados, exceto em escolas dos ensinos infantil, fundamental e médio devido à baixa adesão vacinal (leia mais abaixo). 

O decreto será publicado no DOM (Diário Oficial do Município) neste sábado (19).

A decisão ocorre um dia após a definição do governo estadual e também prevê a exigência da proteção em hospitais e unidades de saúde, terminais e veículos do transporte público e ILPIs (Instituições de Longa Permanência para Idosos).

"Nossas decisões sempre foram baseadas nos números epidemiológicos, mesmo quando fizemos o oposto do estado. Por isso nós resolvemos acabar com o uso obrigatório de máscaras", diz o prefeito da cidade, Dário Saadi (Republicanos). 

Presente na transmissão ao vivo sobre o anúncio, a diretora do Devisa (Departamento de Vigilância em Saúde), Andrea von Zuben, pondera que as taxas de imunização entre os públicos mais jovens não são consideradas ideais.

"A gente não consegue fazer a redução no número de casos de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) em crianças. Portanto, diferente do estado, manteremos o uso em escolas até o Ensino Médio em locais fechados", afirma.

Ela também ressaltou que a orientação para moradores com sintomas respiratórios ficarem em isolamento continua vigente. O uso regular para crianças não vacinadas também foi recomendando, mesmo nos locais abertos.

ONDE E QUANDO SERÁ EXIGIDO 

- Pessoas com sintomas gripais

- Locais fechados em escolas municipais de ensinos infantil e fundamental e creches

- Locais fechados em escolas estaduais e particulares de ensinos infantil, fundamental e médio

- Instituições de Longa Permanência para Idosos

- Hospitais

- Ambulatórios

- UPAs

- Centros de Saúde

- Laboratórios clínicos

- Clínicas médicas

- Clínicas odontológicas

- Clínicas fisioterápicas

- Ônibus do transporte coletivo de passageiros
- Táxi,

- Transporte escolar

- Fretado

- Transporte por aplicativo,

- Terminais e locais de embarque e desembarque, incluindo elevadores  

- Abrigos e albergues da assistência social

ONDE ESTÁ LIBERADO

- Escritórios

- Shoppings

- Lojas diversas

- Bares

- Restaurantes

- Casas de shows

- Quadras esportivas

- Ginásios 

APELOS PELAS CRIANÇAS

Questionada sobre outros locais frequentados por crianças, como escolas de idioma, informática, música e arte, a diretora do Devisa, Andrea von Zuben, diz que a utilização de máscara será recomendada em salas fechadas.

Segundo ela, no entendimento da vigilância e das autoridades de Saúde do município, a exigência não será mantida nesses casos, porque o tempo de permanência nesses ambientes é menos prolongado do que nas escolas.

Para o público abaixo dos 18 anos e a faixa etária dos 5 aos 11 anos, a recomendação é que os não vacinados sigam usando a proteção. Sobre isso, o prefeito, Dário Saadi, e o secretário de Saúde, Lair Zambon, fizeram um apelo.

"A cobertura vacinal de 21% de 5 a 11 anos é muito pouco. Há uma preocupação de proteger e por isso exigiremos máscaras nas escolas", reclamou Saadi.

"É decepcionante em um município como Campinas termos um resultado desse. Essa é uma das nossas grandes preocupações do momento", disse Zambon.  

A LIBERAÇÃO NO ESTADO

Ontem, o governador João Doria (PSDB) liberou, por meio de decreto, o uso de máscaras em ambientes fechados oito dias após ter liberado em ambientes abertos. A medida é válida desde ontem (17).

Apesar de ter dito que isso seria decidido até o dia 23 de março, a liberação ocorreu antes. Confira como outras cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas) se posicionaram desde ontem:

CIDADES ONDE A LIBERAÇÃO JÁ VALE

- Indaiatuba

- Americana

- Santa Bárbara d'Oeste

- Valinhos

- Sumaré (libera, mas recomenda o uso)

- Indaiatuba

- Hortolândia

COMO FICA

O uso, de acordo com o governo paulista, seguirá compulsório em espaços de saúde, como hospitais e UBSs, e nas estações e veículos de transporte coletivo, como no Metrô, no trem e nos ônibus.

Sobre a liberação, a gestão Doria disse que a decisão foi baseada em análises técnicas do Comitê Científico do Coronavírus de São Paulo.

Publicidade