Aguarde...

cotidiano

Unicamp arma ofensiva contra atos de racismo no campus

Reitor vai montar Grupo de Trabalho e secretaria antirracismo, além de outras medidas, após pichações nazistas na universidade

| ACidadeON Campinas

Unicamp, em Campinas. (Foto: Luciano Claudino/Código19) 

O reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, anunciou nesta semana uma série de ações para tentar coibir novas manifestações de racismo no campus, após um ex-aluno ter feito pichações nazistas na biblioteca do IEL (Instituto de Estudos Linguísticos) e no banheiro do IG (Instituto de Geociências), no mês passado.

Knobel assumiu o compromisso de instalar um GT (Grupo de Trabalho) de combate ao racismo, além de criar uma Secretaria de Ações Afirmativas, Diversidade e Equidade - que segundo ele já está em fase de estruturação.

As decisões foram anunciadas na última quinta-feira (6), após uma reunião do reitor com representantes de entidades ligadas ao Movimento Negro com atuação na universidade. Knobel afirmou que a pauta apresentada pelos coletivos é comum aos interesses da instituição.

"Não vejo nenhum ponto na pauta apresentada por vocês que nos distancie. Ao contrário, comungamos da mesma posição. Nossos objetivos são comuns e espero que possamos construir conjuntamente as condições necessárias para tornarmos o respeito à diversidade um valor para a Unicamp", afirmou.

PEDIDOS

Os representantes dos movimentos negros fizeram três pedidos. Além da criação do GT, eles querem que a Unicamp retifique o Boletim de Ocorrência registrado após as pichações. No documento, o ato foi classificado como "vandalismo", mas os coletivos entendem que o que ocorreu foi uma clara manifestação de racismo.

Também foi solicitado que a universidade abra um processo administrativo contra o ex-aluno suspeito de ter feito as pichações nazistas nas dependências das unidades e órgãos - ele já responde inquérito policial.

O objetivo, segundo os representantes dos coletivos, é que, caso ele seja responsabilizado pelo crime, que a informação seja anexada ao seu Registro Acadêmico (RA). Tal procedimento seria especialmente importante, alegaram, no caso de essa pessoa voltar a ingressar na instituição, via vestibular.

Marcelo Knobel informou que pedirá para que a PG (Procuradoria Geral) verifique a possibilidade da retificação do BO junto à Polícia Civil. Sobre a abertura de processo administrativo contra o ex-aluno suspeito de praticar manifestações nazistas, o reitor prometeu consultar a PG a respeito dessa possibilidade.

Mais do ACidade ON