Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Acidente em piscina produziu gás usado como arma de guerra

Alemães mataram, em 1915, cerca de cinco mil soldados com o mesmo gás; três pessoas seguem internadas em estado grave

| ACidadeON Campinas

A HydroCenter fechou a área de piscina até segunda-feira (Foto: Denny Cesare/Código19) 

A mistura de dois componentes químicos foi o responsável pelo incidente em uma academia de Campinas que deixou três pessoas internadas em estado grave. De acordo com o toxicologista e pneumologista da Unicamp, Eduardo Mello De Capitani, essa mistura produziu um gás que já foi utilizado até como arma química de guerra.

A academia se chama HydroCenter e fica localizada na Rua Carolina Florence, no Guanabara. O caso ocorreu na noite de quinta-feira (29), e um homem de 38 anos e uma mulher de 51 foram levados para a UTI da Unicamp. Outro de 39 anos foi levado para a UTI do Hospital Vera Cruz.

O médico contou que a mistura dos dois compostos químicos produziu o gás de cloro, uma das substâncias mais perigosas para o pulmão. Em 1915 foi usado por alemães e atirado sobre trincheiras francesas e argelinas perto da cidade de Ypres, na Bélgica, matando mais de 5 mil soldados.

A mistura foi feita na beira da piscina e quando o material começou a borbulhar e soltar o gás, a própria pessoa que estava trabalhando neste serviço pediu para que todos deixassem o local imediatamente.

"Assim que a pessoa inspira, na via aérea, ele se transforma em ácido clorídrico. Os sintomas aparecerem na hora, com a pessoa sentindo irritação e uma dor profunda no pulmão", contou o especialista.  O homem de 38 anos conseguiu correr até o vestiário, onde desmaiou. A mulher de 51 anos reclamava de muita dor no peito.
 
A Secretaria de Saúde de Campinas informou que a Visa (Vigilância em Saúde) montou uma força-tarefa para investigação e busca de novos casos, que estão em andamento.

TRATAMENTO

De Capitani explicou que existe possibilidade de reversão apenas em casos mais leves. Já em um caso mais agudo é provável que fiquem sequelas, como falta de ar e sintomas de asma.

Os dois pacientes da Unicamp estão sedados e com ventilação mecânica. Outros três, incluindo quem fez a mistura, tiveram sintomas mais leves.

"Agora tem que manter a ventilação mecânica e há duas possibilidades: ou o caso piora ou melhora lentamente, independente de medicação. Em uma semana podemos ter uma avaliação melhor. Agora estamos em um período muito critico", afirmou o médico.  

A academia deixou este informativo na recepção da unidade (Foto: EPTV)
NOTA OFICIAL

A HydroCenter Academia, através de uma postagem no Facebook, se pronunciou com a nota oficial. Confira na íntegra:

Primeiro, a HydroCenter Academia, através de sua direção, solidariza-se com os alunos e familiares, vítimas de inalação de produto químico derivado, provavelmente, de cloro destinado ao tratamento da piscina da
academia.

Faz-se importante esclarecer que apenas algumas pessoas estiveram expostas ao produto, haja vista que aquele estava preparado para ser colocado na água ao final das aulas regulares.

A HydroCenter está empenhando todos os esforços possíveis e necessários ao caso, inclusive, com a contratação de empresa especializada para apurar as causas do acidente, além de se colocar à disposição e colaborar com os órgãos públicos competentes.

Até o momento, não há qualquer conclusão técnica capaz de respaldar nenhuma informação adicional. Quando houver, estas serão transmitidas a todos.

Por outro lado, neste momento a maior preocupação da HydroCenter e de todos os seus profissionais está voltada ao pronto restabelecimento dos seus alunos, aos quais está sendo prestado o respaldo necessário, bem como às suas famílias, dentro do quanto é possível nessa situação.

A HydroCenter agradece a compreensão de todos, como também os votos de apoio que temos recebido.

Mais do ACidade ON