cotidiano

Anvisa recebe pedido de uso emergencial da vacina Janssen

Prazo previsto para análise é de sete dias; vacina foi testada em Campinas pelo Hospital da PUC

| ACidadeON Campinas -

Vacina foi testada no Brasil (Foto: Cheryl Gerber/Johnson & Johnson)
A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou na noite de ontem (24) que recebeu o pedido de uso emergencial da vacina da Janssen.  

Em Campinas, a vacina foi testada em 417 pessoas, com estudos realizados no Hospital da PUC. Na cidade, o estudo de fase 3 foi encerrado no dia 9 de dezembro. Do total de vacinados em Campinas, 35% tinha mais de 60 anos. Ao todo, no Brasil, 7.560 pessoas participaram dos ensaios.

O governo brasileiro já manifestou intenção de compra de 38 milhões de doses da vacina Janssen, que é um braço farmacêutico da Johnson & Johnson. A entrega dessas doses tem uma previsão inicial no final do ano, sem data específica.

Segundo a Anvisa, as primeiras 24 horas serão utilizadas para verificar se os documentos necessários estão disponíveis. A análise do pedido de uso emergencial é feita por uma equipe multidisciplinar, com especialistas das áreas de registro, monitoramento e inspeção. "A equipe vem atuando de forma integrada, com as ações otimizadas e acompanhadas pela comissão que envolve três diretorias da agência", afirmou a Anvisa.

O prazo previsto pela agência entre o processo de verificação dos documentos e o resultado do pedido é de sete dias corridos. No entanto, esse prazo será interrompido caso haja falta de documentos. Nesse caso, a Anvisa pode solicitar as informações adicionais ao laboratório. 

EFICÁCIA 

A Johnson & Johnson anunciou no começo do ano que a vacina contra a covid-19 testada pela farmacêutica teve 66% de eficácia em prevenir casos moderados e graves da doença

Segundo a farmacêutica, para os casos considerados graves, o nível de proteção foi de 85% e nenhuma pessoa vacinada morreu de covid


Mais notícias


Publicidade