cotidiano

São Paulo retoma vacinação de grávidas e puérperas a partir de segunda-feira

Governo informou que remanejou vacinas da Pfizer e Coronavac; ontem, Anvisa recomendou suspensão da AztraZeneca

| ACidadeON Campinas -

Vacina contra a covid (Foto: Governo do Estado de São Paulo) 

O governo do estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (12) a retomada da vacinação contra a covid-19 em grávidas e puérperas, acima de 18 anos e com comorbidades (veja lista abaixo), a partir da próxima segunda-feira (17). O anúncio hoje ocorre após a suspensão da imunização com a vacina da AstraZeneca/Fiocruz nesse público ontem (11).  

A medida foi tomada após recomendação da Anvisa para que o imunizante não fosse aplicado em grávidas. Apesar da orientação citar apenas o grupo de gestantes, a vacina também deixou de ser aplicada no grupo de mulheres que tiveram filhos recentemente. 

Segundo a gestão Doria, a distribuição das doses da vacina foram remanejadas e, com isso, agora não haverá interrupção de imunização novamente deste grupo. No total, são cerca de 100 mil mulheres. 

Leia também: Após suspensão da AstraZeneca em grávidas, Campinas orienta gestantes imunizadas a observarem sintomas

De acordo com o estado, o remanejamento foi feito com as vacinas da Pfizer - cujo terceiro lote chega hoje à noite no Aeroporto Internacional de Viracopos - e da Coronavac, do Instituto Butantan. Nesta quarta pela manhã, o Instituto entregou mais de 1 milhão de doses ao Ministério da Saúde. Até o momento, foram 46 milhões de doses entregues.

A vacinação de grávidas e das mães com comorbidades que deram à luz recentemente, um total de 100 mil mulheres acima de 18 anos, estava prevista para começar ontem (11). No entanto, a imunização foi suspensa pelo Ministério da Saúde e pela Anvisa com as vacinas da Fiocruz/Astrazeneca especificamente para as mulheres com estes perfis.  

Os demais públicos seguem contando com este imunizante, que é seguro e eficaz, de acordo com o governo estadual. Além disso, o Governo Federal sinalizou que emitirá nota técnica com relação às gestantes que já receberam a primeira do imunizante.

EM CAMPINAS

Em Campinas, a cidade suspendeu a vacinação para o grupo de gestantes na terça-feira. Até então, a vacinação para mulheres grávidas acontecia apenas para funcionárias da área da saúde.  

Segundo a secretaria de Saúde de Campinas, no grupo de grávidas da saúde foram aplicadas doses da Coronavac e da Astrazeneca. O total de grávidas que receberam a vacina da Fiocruz-AstraZeneca, no entanto, ainda não foi divulgado. 

DOCUMENTOS 

As grávidas em qualquer período gestacional deverão também apresentar comprovante de acompanhamento e/ou pré-natal ou laudo médico. As puérperas podem utilizar a declaração de nascimento da criança. 

Para ambos os casos, é necessário comprovar a comorbidade apresentando documentos de saúde como exames, receitas, relatório ou prescrição médica, bem como cadastros pré-existentes nas UBS (Unidades Básicas de Saúde). 

CONFIRA AS COMORBIDADES DEFINIDAS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE:

- Doença cardiovasculares

Insuficiência cardíaca

Cor-pulmonale e hipertensão pulmonar

Cardiopatia hipertensiva

Síndrome coronariana

Valvopatias

Miocardiopatias e pericardiopatias

Doença da aorta, dos grandes vasos e fístolas arteriovenosas

Arritmias cardíacas

Cardiopatias congênitas no adulto

Próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados

- Diabete mellitus

- Pneumopatias crônicas graves

- Hipertensão arterial resistente

- Hipertensão arterial estágio 3

- Hipertensão estágios 1 e 2 com lesão de órgãos alvos

- Doença cerebrovascular

- Doença renal crônica

- Imunossuprimidos

- Anemia falciforme

- Obesidade mórbida

- Cirrose hepática

- HIV


Fonte: Ministério da Saúde e Governo de São Paulo


Mais notícias


Publicidade