Aguarde...

ACidadeON Campinas

docon

COLUNA: Perigos do uso de suplementos alimentares

É frequente encontrarmos pessoas usando suplementos com a finalidade principal de perda de peso

| Especial para ACidade ON

A endocrinologista Nathalia Ferreira (Foto: Divulgação) 

Suplementos alimentares são compostos de nutrientes, substâncias bioativas, enzimas ou probióticos. A finalidade é servir de complemento da alimentação, desde que haja indicação de profissionais especializados.  

Diferente dos medicamentos, que têm a finalidade de tratar, prevenir ou curar doenças, os suplementos não necessitam de receita médica para serem adquiridos, e têm monitoramento sanitário menos intenso do que o que é praticado com as medicações.  

São produtos muito populares devido a ampla divulgação, seja nas propagandas, no "boca a boca", nos relatos entre amigos ou parentes. Muita informação sobre os benefícios para a saúde, induzindo que as pessoas comprem e usem, sem nenhum impedimento.  

Dentro da endocrinologia é frequente encontrarmos pessoas usando suplementos com a finalidade principal de perda de peso.
O perfil típico é aquela pessoa que por algum motivo não consulta um médico (por falta de tempo, condições financeiras ou por se sentir envergonhada e julgada pelo excesso de peso) e que adquire, muitas vezes por valores significativos, substâncias tidas como "naturais" que "promovem bons resultados", seguindo orientações de parentes, amigos, conhecidos ou de vídeos em propagandas que circulam pelas redes sociais.  

Quais são os perigos desta prática?  

Para começar, como se trata de substâncias sem evidência científica no tratamento de doenças, a consequência mais imediata é o gasto de recursos financeiros sem resultados esperados. Mas isso é pequeno frente aos riscos de saúde que o uso pode provocar.
Estas substâncias, em muitos casos, contêm vários princípios ativos fitoterápicos. Eles podem interagir e provocar efeitos adversos graves.  

Como a fiscalização dos suplementos alimentares é menos intensa, se comparada aos medicamentos, é mais provável que ocorram contaminações, armazenamento inadequado e presença de outras substâncias não descritas no rótulo, podendo causar graves riscos à saúde.  

Os principais motivos para a alta procura dos suplementos são, segundo estudo nos EUA, a melhora da performance sexual, a perda de peso e o ganho de massa magra. Inúmeros produtos foram analisados e foram encontrados medicações para disfunção erétil, sibutramina e anabolizantes. Nem todos proibidos, mas quando adicionados de forma inadequada aos suplementos que se intitulam "naturais e sem efeitos colaterais", podem ser perigosos.  

Como o intuito de proteger a população, a Anvisa lançou nova normatização com relação aos suplementos alimentares em 2018. Foram definidas regras mais apropriadas, incluindo limites mínimos e máximos, populações indicadas, constituintes autorizados e alegações com comprovação científica.  

A indústria, porém, tem um prazo de 5 anos para se adaptar às novas regras, o que pode demorar.  

Fica aqui mais uma vez o alerta quanto ao risco da automedicação, sobre a importância da escolha de profissionais adequados e a desconfiança com relação a produtos que oferecem soluções mágicas e fáceis para problemas que devem ser tratados com seriedade.

Nathalia Ferreira (CRM: 115.092 e RQE: 35585) é endocrinologista formada em Medicina pela Universidade Federal de Juiz de Fora (MG). Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Entre 2010 e 2014, chefiou o Ambulatório de Obesidade Grave do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo. Foi responsável pelos ambulatórios de Obesidade Grave, Pé Diabético e Endocrinologia e Gestação na Prefeitura Municipal de Santa Bárbara dOeste (SP) durante o período em que prestou serviço àquela prefeitura. Atualmente, é responsável pelo Programa Peso Saudável no IAMSPE-SP, que tem sua versão em Campinas com o nome de Attraversiamo.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON