Aguarde...

ACidadeON Campinas

docon

Mercado imobiliário regional supera os números estaduais

Entre agosto de 2018 e julho de 2019, foram comercializados 3.827 imóveis novos em Campinas, segundo a Secovi-SP. Confira a coluna do Presidente da Habicamp

| ACidadeON Campinas

Francisco de Oliveira Filho é presidente da Habicamp (Associação Regional da Habitação) de Campinas (Foto: Divulgação)

A despeito do quadro político que por anos atravancou o desempenho econômico - a economia - e dos baixos índices de crescimento da economia brasileira neste ano, o setor imobiliário tem caminhado de maneira antagônica neste ano de 2019. Seu crescimento nacional tem superado as expectativas de economistas e do próprio setor da construção civil, com crescimento de lançamentos, vendas, liberação de crédito para financiamento e contratação de mão de obra.

Mas o que mais chama a atenção nestes nove meses do ano são os números referentes à Região Metropolitana de Campinas (RMC), um dos maiores pólos da economia brasileira. Diversos indicadores e levantamentos que vieram a público no mês de setembro, por meio de entidades e empresas de diferentes setores, revelam uma força ainda maior da região no tocante à construção civil e o mercado imobiliário.

Vale destacar alguns números bastante significativos de nossa região, que reforçam a força do mercado regional. Segundo o Estudo do Mercado Imobiliário de Campinas, realizado pelo Secovi-SP em parceria com a Robert Michel Zarif Assessoria Econômica, apurou que, entre agosto de 2018 e julho de 2019, foram comercializados 3.827 imóveis novos no município. O resultado representa uma elevação de 92%. Nesse mesmo intervalo, foram lançadas na cidade 4.467 unidades, volume 29,7% superior ao período anterior.

Ainda de acordo com o mesmo levantamento, entre agosto do ano passado e julho deste ano, o VGV (Valor Geral de Vendas) totalizou R$ 1,099 bilhão, volume 50,7% superior ao registrado no levantamento passado. A velocidade de vendas, conhecida como VSO (Vendas sobre Oferta) ficou em 55,6%, representando crescimento de 38,3%.

Os números de lançamentos e velocidade de vendas também mostram o grau de confiança do consumidor interessado em adquiri um imóvel. Segundo a superintendência regional da Caixa Econômica Federal (CEF), neste ano o volume liberado somente no primeiro semestre deste ano para financiamento imobiliário na RMC chega a R$ 915,5 milhões. Desse volume, R$ 225,5 milhões são provenientes de recursos da poupança. Outros R$ 690 milhões foram solicitados para aquisição de empreendimentos do Minha Casa Minha Vida (MCMV).

Na soma geral, os financiamentos liberados tiveram uma alta impressionante de 28% sobre o mesmo período do ano passado. A solicitação de empréstimos de longo prazo revela uma sensível melhoria da confiança do consumidor para contratação de longo prazo, coisa que não ocorrida desde 2012, quando a economia brasileira entrou em quadro de recessão.

Um terceiro dado que reforça o bom momento do setor imobiliário regional vem do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) da Secretaria de Trabalho da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, No acumulado de janeiro a agosto, 3.516 empregos foram gerados pela construção civil na Região Metropolitana de Campinas. Vale lembrar que o segmento tem sido um dos pilares na abertura de vagas, contribuindo sobremaneira para a recuperação dos postos de trabalhos perdidos nos últimos anos.

Tudo indica que os bons ventos continuarão soprando nos próximos meses e em 2020 para a nossa região. Por conta da grande procura por imóveis, construtoras mantém seus cronogramas de lançamentos, ainda mais com as quedas das taxas de juros nos financiamentos imobiliários, desencadeadas após a redução da Taxa Selic, no mês passado, como já tínhamos previsto em nosso último artigo, no dia 22 de setembro, dias depois da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que cortou a taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, baixando a SELIC para 5,50% ao ano, a menor taxa dos últimos anos.

Com estes dois eixos fazendo a roda girar, teremos mais contrações em toda a cadeia de emprego (pedreiros, arquitetos, engenheiros, fornecedores de materiais, entre outros), que por sua vez fará girar a economia regional como um todo.

Essa é a força do setor da construção civil. A verdadeira locomotiva da economia brasileira e da RMC.

Francisco de Oliveira Lima Filho Presidente da Associação das Empresas do Setor Imobiliário e da Habitação de Campinas e Região (Habicamp), entidade que reúne empresas associadas e 60 empresas parceiras como construtoras, incorporadoras, fabricantes de materiais, investidores e profissionais que atuam em toda a cadeia da construção civil. Habicamp.com.br

Mais do ACidade ON