Aguarde...

ACidadeON Campinas

docon

Transição do emprego: volta a contratação na indústria em 2020

E quem disser que não há crescimento com inflação baixa, joga contra

| Especial para ACidade ON

Adilson Mirante (Foto: Divulgação) 

Presenciamos nas últimas duas décadas a transição cada vez maior do emprego, da indústria para o segmento de serviços, acentuada nos últimos anos pela crise de 2014.

Agora estamos presenciando a retomada do emprego na indústria, que está em 14 % força de trabalho, mas já foi 35%. Tendência mundial, alguns consideram que o ideal numa economia desenvolvida deve ficar na faixa de 17% como tem permanecido na Alemanha. Devemos considerar que essa mudança difere em países desenvolvidos, altamente desenvolvidos e países em desenvolvimento.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do IBGE, mais de dois terços (67,7%) da população brasileira ocupada trabalha no setor terciário (serviços e comércio), 14,2% na indústria, 10,4% no setor primário (agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura) e 7,7% atuavam na construção.

Ainda segundo o PNAD, entre 2012 e 2015, o setor terciário teve aumento de quase 2,5 pontos percentuais de participação na força de trabalho ocupada, diante de uma redução de 1,4 ponto percentual no setor primário, a indústria de transformação, e de 0,5 ponto percentual para os setores de construção. Época de vacas magras.

O setor de serviços é formado por 62,4 milhões de trabalhadores, segundo o PNAD. Quase 1/3 (28,2%) dessa mão de obra é integrada por trabalhadores do comércio e do setor de reparação de veículos. Em seguida, o maior contingente de trabalhadores está ocupado em atividades relacionadas aos serviços de interesse público (24,5%), seguidos daqueles que trabalham no setor de serviços profissionais de diversas naturezas (17,3%).

Os serviços domésticos respondem por quase 10% de todos os trabalhadores ocupados no setor de serviços, enquanto as atividades relacionadas com alojamento e alimentação e aquelas referentes a armazenamento, transportes e correio apresentam participação muito próxima (6,9% do total de trabalhadores ocupados no setor de serviços).

Vamos presenciar a partir e agora uma mudança nesse cenário porque: o setor de bens de consumo não duráveis já está alavancando o mercado interno e vem crescendo acima de 5 % (alimentos, farmacêutico, cosméticos e higiene pessoal, embalagens e insumos). A produção de alimentos traz a reboque os fabricantes de insumos alimentícios, implementos agrícolas, agroquímicos, tratores e caminhões).

O setor de construção e saneamento básico, construção civil e infraestrutura serão priorizados nas privatizações, o que movimenta a indústria, siderurgia, de cimento, cerâmico, produtos químicos, tintas, tubos e conexões, iluminação e por aí vai. A indústria de bens semi-duráveis e duráveis, eletro-metalúrgicos, pega carona com a recuperação das vendas de eletrônicos, eletrodomésticos, equipamentos de movimentação, para logística e distribuição, novamente equipamentos rodantes. 

O crescimento dos investimentos, que já estamos presenciando em todos esses segmentos, traz cada vez mais, investimentos na indústria de energia, equipamentos e bens de capital, tecnologia em energia renovável e novos polos industriais para equipamentos de distribuição (transformadores, hidrogeradores, veículos elétricos, cabos de energia, painéis elétricos e iluminação).

Os leilões de óleo e gás já movimentam o setor de equipamentos off shore (barcos, navios, cabos, sondas, válvulas, tubos de aço, novamente o setor químico petroquímico, e por aí vai).

O ciclo de crescimento, assim, se espalha em toda a economia e os ajustes fiscal e da máquina pública geram a confiança para juros menores, investimentos maiores e inflação baixa.

Nossas exportações e a balança comercial continuam positivas mesmo com a valorização das commodities agrícolas que impactam o custo da carne, e grãos e elevam o custo nestes setores, mas o aumento de produção de nossa agricultura reduz o custo da produção de alimentos no mercado interno. E quem disser que não há crescimento com inflação baixa, joga contra. São as aves de mau agouro.

Adilson Mirante tornou-se diretor de Recursos Humanos (RH) aos 28 anos. Montou políticas e estruturas de RH em nove plantas novas e startups de fábricas e estruturas corporativas. É especialista em gestão estratégica de RH, negociações sindicais, desenvolvimento gerencial, mentoring e aconselhamento de carreira. Aos 39 anos montou uma empresa de recolocação, a Porto Aranha & Mirante, que viria a se transformar numa das maiores empresas de recolocação do País, sob a marca Korum. É presidente e fundador da M1 Alta Gerência, especializada em recolocação de executivos seniores, atuando também em coaching executivo e uma divisão T1 Tecnologia e Serviços, especializada em gestão e projetos de TI. Adilson acaba de lançar o seu livro Carreira e Pós-carreira, produção independente que aborda as características da Economia 4.0, as mudanças no mercado de trabalho, as alterações no perfil dos profissionais e sobre as aplicações da tecnologia. A publicação é um guia para atualização de quem busca garantir a sua empregabilidade após os 50 anos.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso. Para mais informações, consulte nosso TERMO DE USO"

Facebook