Aguarde...

ACidadeON Campinas

docon

A segunda gravidez: e agora?

Evite as comparações e lembre-se que cada gestação é única e que temos uma conexão com cada filho de forma diferente

| Especial para ACidade ON

As psicólogas Priscila Ribeiro Manzoli e Denize Campos Ribeiro (Foto: Divulgação)

A chegada do segundo filho pode despertar nos pais sentimentos de ansiedade, angústias e algumas dúvidas.

Logo, a casa ganhará mais um integrante e os pais precisarão se organizar para este novo bebê que está por vir. Alguns tiram de letra e outros pais se sentem inseguros sobre a nova fase.

Sabemos que cuidar e educar os filhos não é uma tarefa simples, pois requer tempo, dedicação, persistência, consistência e muito preparo. E quando o número de filhos aumenta, todo esse trabalho também se multiplica, afinal estamos falando de mais uma criança que precisa de amor, proteção e cuidados.  

Ninguém pensa sobre a chegada do segundo filho antes da gestação. Ou seja, só passamos a pensar como seria o novo cenário a partir do anúncio da segunda gravidez. E nesse momento é que os pais precisam de apoio, de serem ouvidos e de orientação.  

É muito comum que nesta fase nova, a mãe sinta receio de falhar ao precisar cuidar de uma nova criança, questione a si mesma se o amor será igual ao amor que sente pelo primeiro filho, tem dúvidas se os irmãos serão amigos e parceiros de vida e se ela vai dar conta de conciliar todas as responsabilidades e administrar tudo que é necessário para a família.  

O pai comumente também sente se conseguirá dar todo apoio necessário para a família, sente receio de como será a nova rotina com um bebê em casa, torce para ser uma criança muito amada por todos como é o primeiro filho, idealiza a chegada e a criança.  

A grande verdade é que não temos controle de como será. É quase automático aquela boa e velha comparação com o primeiro filho, mas não caia na tentação. O primeiro pode dormir melhor que o segundo, o segundo pode chorar menos que o primeiro e o primeiro pode andar antes que o segundo.  

Evite as comparações e lembre-se que cada gestação é única e que temos uma conexão com cada filho de forma diferente. O primeiro não é igual ao segundo e nem será igual ao terceiro. Cada filho tem sua marca, seu jeitinho especial.  

E, com o tempo, a vida retornará ao seu ritmo após a chegada do segundo. Como tudo que é novidade, o começo será mais difícil até estarem todos adaptados novamente. Controle as expectativas, compartilhe seus medos, respire fundo e aproveite ao máximo a companhia do primeiro filho enquanto o amor ainda não se multiplicou e a atenção não se dividiu.  

Esta semana vamos conversar bastante sobre o tema em nossas redes sociais @programafortalecendolaços! Acompanhe a gente lá!

Priscila Ribeiro Manzoli é psicóloga, mãe do Francisco e dos gêmeos João e Pedro e encantada com as dores e as delícias da maternidade. Denize Ribeiro também é psicóloga e com a chegada da filha Elis tornou-se ainda mais empática com os pais e compreendeu melhor a importância de educar com planejamento. Elas acreditam que para formar indivíduos emocionalmente saudáveis e mais conscientes, os pais precisam necessariamente saber como fazer isso e definir um propósito na educação de seus filhos. Desse encontro profissional nasceu o Programa Fortalecendo Laços, com o objetivo mostrar esse caminho para pais e mães, fortalecendo os laços de amor e o vínculo familiar entre eles.

Mais do ACidade ON