Polícia trata como terrorismo atropelamento em Londres

Oito feridos estão internados em três hospitais da cidade, dois em "estado crítico"

    • ACidadeON
    • ACidade ON
Reprodução de TV
Local onde ocorreu os atropelamentos

A Polícia Metropolitana de Londres disse nesta segunda-feira (19) que o incidente ocorrido na mesquita de Finsbury Park, no norte de Londres, onde uma pessoa morreu e dez ficaram feridas, é um atentado terrorista, de acordo com a metodologia empregada. A informação é da Agência EFE.

O subcomandante Neil Basu, da Scotland Yard, afirmou que, por enquanto, acredita-se que tenha sido um só indivíduo que atropelou com uma caminhonete fiéis que acabavam de finalizar suas orações na mesquita. Segundo ele, todas as vítimas pertencem à comunidade muçulmana.


Oito feridos estão internados em três hospitais da cidade, dois em "estado crítico". Mais dois foram atendidos no local e já foram liberados.

"Isso foi um ataque contra Londres e todos os londrinos. Devemos permanecer lado a lado contra esses extremistas", afirmou Basu.

A polícia não descarta neste momento nenhuma hipótese, acrescentou o agente. Por enquanto, um homem de 48 anos é o suposto agressor. Ele foi detido por uma multidão após o atropelamento, permanece sob custódia policial e "não foram identificados outros suspeitos", disse Basu.

Testemunhas do atropelamento  descreveram que o suposto autor gritou que iria "matar todos os muçulmanos". Ele acabou rendido por pessoas que estavam próximas ao templo.

A Scotland Yard deve ainda estabelecer se essa morte está diretamente vinculada ao atentado, pois aparentemente essa pessoa já recebia auxílio quando o veículo começou a atropelar os pedestres. Segundo declaração de um homem, o suspeito começou a gritar "vou matar todos os muçulmanos" antes de ser imobilizado.

Essa testemunha, Abdulrahman Saleh Alamoudi, indicou que estava junto com um grupo de fiéis que acabava de terminar de rezar e que, nesse momento, ajudava um idoso que "tinha caído", talvez por causa do calor, quando a caminhonete do agressor se dirigiu a eles.

Dez pessoas sofreram ferimentos

"Esta caminhonete veio para cima da gente. Acredito que pelo menos dez pessoas ficaram feridas e, por sorte, eu consegui escapar", afirmou. "Então, o homem saiu da caminhonete e o agarrei. Estava gritando: Vou matar todos os muçulmanos, vou matar todos os muçulmanos. Ao mesmo tempo, ele ia dando murros", relatou. Quando conseguiram imobilizá-lo, segundo a versão, o homem pediu que o "matassem".

Outra testemunha, Abdikadar Warfa, contou como ele ajudou a deter o suspeito enquanto seus amigos socorriam novas vítimas que ficaram feridas. "Vi um homem sob a caminhonete. Ele estava sangrando e meu amigo me disse que era preciso levantar o veículo. Eu estava ocupado com o homem que tinha tentado escapar", disse.

Por sua vez, Salah Alamoudi apontou que as pessoas que contribuíram para deter o agressor esperaram "meia hora" até a chegada dos agentes e que o terrorista "era um tipo forte, um homem grande".

Um morador do bairro de Finsbury Park, Abdul Abdullahi, que passou pela mesquita, relatou "uma sensação de confusão" e disse que viu "gente jogada no chão" enquanto o agressor "parecia indiferente".

0 Comentário(s)