Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Base derruba CP contra Jonas; novo pedido será votado 4ª

Denúncia feita por Mariana Conti foi rejeitada na noite desta segunda; mais três vereadores assinam pedido que será votado na quarta-feira (12)

| ACidadeON Campinas

A vereadora Mariana Conti (ao centro) (Foto: Divulgação/Câmara de Campinas) 

Os vereadores aliados de Jonas Donizette (PSB) rejeitaram, na noite desta segunda-feira (10), por 23 votos a 9, o pedido para abertura de uma CP (Comissão Processante) contra o prefeito. A denúncia foi apresentada pela vereadora Mariana Conti (Psol) após decisão do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) que determinou o afastamento de Jonas e a demissão de 500 servidores comissionados.  

Votaram a favor da CP os vereadores Campos Filho (DEM), Carlão do PT (PT), Gustavo Petta (PCdoB), Marcelo Silva (PSD), Nelson Hossri (Podemos), Paulo Bufalo (Psol) - que assumiu como suplente porque Mariana não podia votar -, Pedro Tourinho (PT), Tenente Santini (PSD) e Vinicius Gratti (PSB).

O pedido ocorre pouco mais de três meses depois de Jonas ser inocentado por outra CP, a que investigou a participação do prefeito no caso de corrupção no Hospital Ouro Verde. A função da CP é indicar a cassação ou não do chefe do executivo, que pode ser aprovada ou rejeitada pelo plenário.

Além de Mariana, o vereador Tenente Santini (PSD), com o apoio de Nelson Hossri (Podemos) e Marcelo Silva (PSD), também protocolou um pedido de CP, que será votado na próxima quarta-feira (12).

Os parlamentares chegaram a questionar se o pedido deveria ser votado também nesta segunda, mas o presidente Marcos Bernardelli (PSDB) afirmou que o texto não foi protocolado em tempo hábil para isso.

TROPA DE CHOQUE

Além de absolverem Jonas, os aliados também subiram à tribuna para defender o prefeito. Jota Silva (PSB) foi o primeiro. Ele criticou a imprensa, dizendo que alguns veículos de comunicação informaram que o prefeito foi cassado, enquanto o acórdão do TJ fala apenas em "perda de função pública" do mandatário.

Paulo Galtério (PSB) foi o segundo. Ele disse que Mariana Conti foi oportunista ao propor a CP, fazendo o pedido de criação da comissão sem articulação. "Se já tem um acórdão que determina que o prefeito deve sair, ele vai sair. O que ela (Mariana) quer é colocar os vereadores da base contra a população, dizendo que a gente defende o prefeito, vem com essa conversinha. Se o Jonas errou, o tribunal vai dizer", afirmou.

OPOSIÇÃO

A oposição, é claro, também falou. Pedro Tourinho (PT) aproveitou para cutucar outros parlamentares de oposição. O vereador disse que ele seu colega de partido Carlão do PT têm feito uma oposição sistemática a Jonas, e que serão favoráveis, a qualquer investigação contra o prefeito, "a despeito da falta de diálogo entre integrantes da oposição". A fala foi uma referência a Mariana, que protocolou o pedido de CP sem ouvir os colegas.

Marcelo Silva (PSD) citou a denúncia do Ministério Público desta segunda-feira, dizendo que as mesmas acusações foram levantadas pela CP do Ouro Verde (que era de sua autoria). "Temos um governo corrupto, um governo que pune a população de Campinas", disse.

Tenente Santini (PSD) disse que fez o pedido de CP sabendo que ele não será aprovado. "Não será (aprovado) porque quem vai votar são os vereadores beneficiados pelo esquema denunciado", disse.

Nelson Hossri (Podemos) também citou a nova denúncia do MP e também criticou os colegas. "Esperava que mais vereadores viessem à tribuna falar da condenação de Jonas, mas eles evitam criticar o patrão", afirmou.

ENTENDA O CASO

A Justiça considerou que o prefeito de Campinas cometeu improbidade ao fazer contratações de comissionados com interesses políticos. A Justiça também determinou a demissão dos comissionados, a suspensão dos direitos políticos de Jonas por cinco anos, além do pagamento de multa civil de 30 vezes o valor da remuneração recebido pelo prefeito.

Apesar da condenação, Jonas permanece no cargo até o julgamento final da ação, com a apreciação dos recursos do prefeito no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF (Supremo Tribunal Federal).

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON