Aguarde...

ACidadeON

Voltar

Política

Projeto quer monumento para vítimas de feminicídio

O projeto de lei quer homenagear as mulheres vítimas de feminicídio, colocando um monumento com memorial em parques públicos de Campinas

| ACidadeON Campinas

Sessão da Câmara em Campinas. Foto: Divulgação/Câmara de Campinas

Um PL (Projeto de Lei) que está tramitando na Câmara de Campinas quer homenagear as mulheres vítimas de feminicídio, colocando um monumento com memorial em parques públicos da cidade. A matéria ainda precisa passar pelas comissões antes de ir à pauta.

De autoria de Carmo Luiz (PSC), a definição do formato e a execução do monumento ficarão a cargo das entidades representativas de parentes das vítimas, sob coordenação da Prefeitura.

No espaço do monumento deverão ser divulgados os nomes, telefones e endereços dos órgãos de denúncia acerca de abusos e violência contra a mulher, bem como o da rede de acolhimento à mulher vítima de violência.

"Essa homenagem às vítimas de feminicídio é mais do que uma simples homenagens, mas também serve para um chamamento de alerta para os problemas que elas sofrem", justificou o autor da proposta.  
 
FEMINICÍDIO  

A morte pelo simples fato de ser mulher, o crime de feminicídio, tem crescido rápido no estado de São Paulo, principalmente em Campinas. Isso é o que mostra uma pesquisa inédita feito por pesquisadores da FCM (Faculdade de Ciências Médicas), da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).  Além de traçar o perfil da vítima na cidade, o estudo revelou que a taxa média de mortes de mulheres por feminicídio em Campinas é maior que a média estadual. Segundo os dados, a incidência em Campinas é de 3,18 casos de feminicídio a cada 100 mil mulheres.

Já a média do Estado de São Paulo é de 2,4 mortes a cada 100 mil habitantes. No país, a média nacional é superior: de 4,8 mulheres mortas por feminicídio a cada 100 mil habitantes. Os dados analisados são de 2015 mas a pesquisa foi divulgada nesta quinta-feira (1º).

PERFIL

O estudo revelou ainda o perfil majoritário das mulheres mortas no município. Mulher branca (47,4%), solteira (63,2%), mãe de um ou mais filhos (84,2%), com ensino fundamental (52,6%) e média de idade de 31 anos. Para traçar o perfil, foram analisadas 582 mortes de mulheres na cidade depois, foi feito o recorte de feminicídio.

Do total dessas mortes declaradas, 185 corresponderam a homicídios de homens (85,9%) e 26 de mulheres (14,1%). Das 26 mulheres assassinadas, 19 foram vítimas de feminicídio, ou seja, foram mortas pelo simples fato de serem mulheres. Entre elas, uma parcela significativa (63,2%) foi vítima do próprio companheiro. Duas estavam grávidas no momento da morte.

A maior parte dos crimes foi cometida no domicílio da vítima (52,6%) e na via pública (42,1%). O principal mecanismo de morte foi a arma branca, como machados e facas (31,5%), seguida da arma de fogo (26,3%), estrangulamento (21%) e objeto contundente, que engloba agressões físicas com auxílio de objetos de ferro ou madeira (15,8%).


ALGUNS CASOS

Campinas registrou até agosto deste ano 14 casos de tentativa de feminícidio com seis mortes. No dia 4 de janeiro, uma adolescente de 13 anos foi morta com um tiro na perna no Jardim Flamboyant, pelo namorado de 17 anos. Ela chegou a ser socorrida ao Hospital Municipal Doutor Mário Gatti, mas morreu durante a cirurgia.

No dia 27 de fevereiro, a comerciante Nice Romualdo Vieira, de 51 anos, estava trabalhando em seu estabelecimento, no Parque Vista Alegre, quando Moacir Zanella, de 53 anos, chegou ao local, fechou as portas e ateou fogo, com a vítima lá dentro. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu e morreu. O autor também morreu dias depois.

No dia 12 de março, Fátima Aparecida Bertoline, de 40 anos, morreu após passar cinco dias internada na Santa Casa, após ter o corpo queimado. O suspeito e companheiro da vítima, Sandro Joel do Nascimento, de 40 anos, foi preso perto do local do crime.

No dia 10 de maio, Thaís Fernanda Ribeiro, de 21 anos, foi morta com 11 tiros pelo ex-namorado, dentro da própria casa, na região do San Martin. O autor do disparos segue preso.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON