Aguarde...

Política

Braço-forte de Jonas e sem Rafa, Wandão lança pré-candidatura

O deputado Rafa Zimbaldi, nome até então defendido por Jonas, não compareceu a evento

| ACidadeON Campinas

Reunião aconteceu na noite desta quinta-feira. (Foto: Sarah Brito/ACidade ON Campinas) 

O secretário de Relações Institucionais de Campinas e braço-forte do prefeito Jonas Donizette (PSB) há oito anos, Wanderley de Almeida, conhecido como Wandão, lançou na noite desta quinta-feira (30) a sua pré-candidatura à Prefeitura de Campinas. Ele também é presidente do partido em Campinas.

Porém, o movimento da candidatura de Wandão causou uma saia-justa com o então escolhido por Jonas para a disputa, o deputado Rafa Zimbaldi (PSB), que não compareceu na sede do partido para o anúncio, no Jardim Leonor.

Pouco antes da reunião, Rafa emitiu uma nota questionando a discussão sobre o lançamento da pré-candidatura do presidente da sigla, Wanderley Almeida, ao cargo de prefeito e colocou seu nome na disputa pelo posto na sigla. Segundo o deputado estadual, o assunto não foi colocado na pauta divulgada para todos os filiados.  

Num ofício encaminhado ao PSB, o deputado afirmou que não poderia comparecer a reunião, mas fez questão de colocar o seu nome. Além disso, Rafa pediu que sua carta fosse lida na íntegra para todos os filiados. O que foi feito por Wandão, amenizando qualquer racha interno no partido.

A DISPUTA
 
Rafa e os caciques do PSB em Campinas estão numa queda de braços pela definição da candidatura do partido. Rafa questionou na Justiça a decisão do PSB de expulsar Luiz Lauro Filho da sigla, sobrinho de Jonas. Ele foi para o PSDB num acordo costurado entre Jonas e Doria para que Luiz Lauro Filho votasse favorável ao candidato do governador de São Paulo na liderança da bancada na Câmara Federal. A disputa de Doria é com o deputado federal Aécio Neves, que também tem seu candidato ao mesmo cargo. Com isso criou atritos com a direção local e se aproximou dos caciques da legenda nas esferas estadual e federal.  

Do outro lado, Wandão oferece resistência e busca o máximo de apoio da legenda. Ele tem a vantagem de estar há 26 anos no partido. Rafa ingressou na sigla para disputar o cargo de deputado na eleição de 2018.   



A FALA
 
Ao ACidade ON Campinas, na noite desta quinta-feira, Wandão afirmou que colocou seu nome à disposição do partido porque quer, junto com Rafa e o atual vice-prefeito, Henrique Magalhães Teixeira, participar do debate à concorrência do cargo municipal.  

"Quero continuar o legado que fiz parte nos últimos oito anos", afirmou. Ele negou um possível racha com Rafa. Na abertura do encontro, Wandão leu a justificativa de Rafa na íntegra. "Ele não pôde vir, é um deputado, tem sua agenda. Este encontro estava marcado desde o começo de janeiro", afirmou.
 
Ele afirmou ainda que as prévias do partido ocorrem entre julho e agosto e é somente neste período que de fato o PSB vai definir o nome do candidato a prefeitura de Campinas.  

PARTICIPANTES E SIMPATIZANTES

Sob aplausos e gritos de "meu candidato", Wandão disse que quer que o partido tenha a mesma disposição com o nome dele com ao de Henrique e Rafa. "Não quero tratamento diferenciado, não quero tratamento de prefeito. Mas quero que o partido amadureça até julho. A obrigação do partido é defender o que realizamos. Porque se não fizermos, nossos dias estão contados".  

Ele também falou que nunca foi sua pretensão ser candidato. "Nesses 26 anos nunca tinha colocado o nome à disposição. Mas agora que o barco está indo numa direção incorreta não vou me furtar de resolver".

O atual vice, Henrique Magalhães Teixeira, sentou ao lado de Wandão na mesa em frente aos militantes peessebistas, além de simpatizantes e o alto escalão da Administração. Entre os secretários presentes, estavam a de Educação (Solange Villon Kohn Pelicer), Trabalho e Renda (Luis Yabiku), e os presidentes da Sanasa (Arly de Lara Romeo) e Camprev (Marionaldo Fernandes Maciel).  

Sindicalistas afiliados do PSB do STMC (Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Campinas) também estavam na reunião, entre eles dois coordenadores, Claudia Bueno e Tadeu Cohen Paranatinga,e a diretora de imprensa, Rosana Medina. O prefeito Jonas Donizette não compareceu.  

LUIZ LAURO  

Wandão também esclareceu o caso de Luiz Lauro, dizendo que houve mal entendido entre os envolvidos, incluindo o deputado Rafa Zimbaldi - que, segundo ele, recebeu a ligação de explicação em parte incrédulo. Ele disse que também não comentou o caso na imprensa - o mesmo dito pelo vice-prefeito. Ambos para falarem com Jonas antes. "Confesso que não fui (dar entrevista) e foi um grande desconforto. Mas tenho certeza que o desconforto foi de todos nós. Uma hora ou outra a gente acerta. Uma hora ou outra a gente erra. E podemos tocar em frente", disse Magalhães Teixeira.  

"Se existe uma mancha ética no partido, vai grudar em todos nós. Tive uma conversa franca com Jonas, ele entendeu minha preocupação e meu sentimento. O PSB tem que pensar se é o caso de se redimir ou pedir desculpas à sociedade", disse ainda Magalhães Teixeira.  

Wandão disse, por fim, que está impedido de comentar o assunto por conta de uma determinação do Diretório Estadual, mas que não é interessante perder um quadro com 75 mil votos (Luiz Lauro). "Estou impedido de discutir. Só quis passar esclarecimentos para que as pessoas pudessem sair daqui sem dúvidas. Mas, de qualquer forma, Luiz hoje é parte do PSDB. Foi uma situação difícil e pouco prazerosa. Ainda mais da forma rápida que foi. Vamos aguardar o diretório estadual decidir o que fazer com a deliberação do Rafa".

Mais do ACidade ON