Publicidade

politica

Lula minimiza fôlego de Bolsonaro nas pesquisas em entrevista a rádio de Campinas

De acordo com o petista, a diferença entre ele, líder, e o segundo colocado é "muito grande"

| Estadao Conteudo -

Ex-presidente Lula (Foto: Reprodução/Redes Sociais/Ricardo Stuckert)


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) minimizou a queda na distância entre ele e o presidente Jair Bolsonaro (PL) nas pesquisas de intenção de voto para o Palácio do Planalto.

De acordo com o petista, a diferença entre ele, líder, e o segundo colocado é "muito grande". Segundo Lula, o PT e seus aliados têm "todas as condições de ganhar as eleições de 2022". A fala do ex-presidente ocorreu em uma entrevista a uma rádio de Campinas nesta quarta-feira (4).

"Bolsonaro não está se aproximando. Ele recuperou 3 ou 4 pontos depois da saída do [ex-juiz Sérgio] Moro, mas a nossa distância continua acima de 15 pontos no Brasil e é muito grande. No segundo turno, essa distância aumenta para 15%, 20%, 25% dos votos. Eu estou tranquilo, estou com a certeza de que nós temos todas as condições de ganhar as eleições de 2022?, afirmou em entrevista à Rádio CBN Campinas. Apesar da confiança, o petista disse que é preciso ainda "colocar o pé no chão e andar pelo Brasil" para elaborar e divulgar programas que tenham como foco a geração de emprego e renda.

O PT lança a chapa formada por Lula e pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) como vice no próximo sábado, 7. O partido fechou uma federação com PC do B e PV e, além da coligação com o PSB, tem o apoio de PSOL, Solidariedade e Rede (embora, neste caso, a adesão não seja de toda a cúpula da sigla). Na próxima semana, Lula inicia uma nova série de viagens pelo País.

Durante a entrevista, o petista voltou a destacar que a escolha do ex-governador e ex-tucano à Vice-Presidência é importante para abrir diálogo com setores da sociedade que estavam afastados do PT.

"Alckmin agrega experiência, agrega um setor da sociedade que durante muito tempo não votou no PT ou não quis votar no PT. O Alckmin agrega pessoas que pensam diferente de nós em muitas coisas", disse. O PT aposta na atuação do ex-governador paulista para se aproximar sobretudo de três segmentos: agronegócio, mercado financeiro e o eleitorado religioso e mais conservador.

Como mostrou o Estadão, cresce dentro do PT e também no PSB a expectativa de que Alckmin "retorne ao centro", em referência aos acenos à esquerda feitos pelo ex-tucano, como seu discurso durante o congresso pessebista.

CIVILIZADO

Lula ainda reagiu aos ataques do vereador Major Jaime (PP), de Campinas, que recomendou a "internação" do petista para curar o "vício em álcool e em roubar".

"Não costumo responder coisas rasteiras que os adversários fazem. Esse rapaz, ele precisaria ser internado numa clínica de repouso porque ele é totalmente desequilibrado. O cidadão que tem um cargo de vereador e ele é major ainda, deveria ter tido uma formação mais civilizada. Deveria ser um cara mais educado e mais respeitoso, mas é isso que as pessoas ligadas ao Capitão pensam. Eles não sabem fazer política de forma civilizada. Eu possivelmente não farei essa campanha fazendo resposta rasteira aos meus adversários. quem gosta de viver no lixo, que viva no lixo porque eu não participarei disso", disse.

Mais notícias


Publicidade