Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

Especial Névio Archibald

Jonas contraria PSB e segue a favor da reforma da previdência

Partido do prefeito fechou questão contra a proposta; Jonas faz campanha a favor do projeto na Frente Nacional dos Prefeitos

| Especial para ACidade ON

Prefeito de Campinas reunido com Paulo Guedes. Foto: Divulgação 

O PSB, partido do prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), decidiu nesta quinta-feira (25) fechar questão contra a Reforma da Previdência. Com isso, os 32 deputados federais da legenda estão proibidos de votar a favor da proposta, sob pena de punição no partido.

Jonas é um dos principais entusiastas da reforma, e defende amplamente a revisão para justificar as mudanças que quer fazer na Previdência em Campinas. Como também é presidente da FNP (Frente Nacional de Prefeitos), o peessebista tem feito campanha pela aprovação e se reunido com integrantes do governo federal para apoiar o projeto.  

O prefeito disse que é contra a decisão de seu partido e que vai manter sua postura de defender a reforma. "Não é porque o partido não ganhou a eleição, que está outro lá, que precisamos ser contra o país", disse Jonas, durante a inauguração do Centro de Saúde do Satélite Íris II, na manhã desta sexta-feira.

Jonas disse que conversou com o presidente do PSB, Carlos Siqueira, para expor seu posicionamento. "Também sinalizei ao ministro Paulo Guedes que vou trabalhar com outros prefeitos a favor da reforma."

No documento aprovado pela cúpula do PSB, os dirigentes nacionais afirmam que a reforma significa "a destruição da Seguridade Social e o empobrecimento geral do País, sobretudo dos pequenos municípios e dos mais pobres".

Ao defender o projeto, Jonas chegou a declarar, quando esteve com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que a proposta gera recursos para o governo federal e beneficia os maiores municípios. "Se for aprovada a reforma, em quatro anos ela gerará economia de R$ 32 bilhões para os 35 maiores municípios e de R$ 156 bilhões em dez anos. São R$ 297 bilhões em 20 anos", disse o prefeito de Campinas.  

PREVIDÊNCIA EM CAMPINAS

Jonas quer fazer mudanças no Instituto de Previdência Social de Campinas (Camprev) e integrantes do governo aguardam a aprovação da reforma para formular o projeto, isso porque uma lei federal pode se sobrepor a municipal e provocar mudanças, caso o prefeito se adiante na cidade.

Mesmo assim, Jonas já tentou modificar as regras, mas após pressão, retirou o projeto da Câmara.
A proposta fixava um teto máximo para a concessão de aposentadoria e criava um fundo complementar.

Hoje o servidor contribui com 11% do total do próprio salário para receber a aposentadoria integral. Se a lei tivesse sido aprovada, o trabalhador poderia pagar uma alíquota opcional a mais de até 8,5% (somando 19,5%) se optasse por receber a aposentadoria integral.

CENÁRIO

O PSB de São Paulo tem o histórico de contrariar as decisões nacionais, principalmente nas alianças eleitorais. Jonas não deve deixar de articular pela reforma, mas com a derrota de Luiz Lauro Filho (PSB), seu sobrinho, no ano passado, a cidade ficou sem representante do partido na Câmara. A bancada paulista do PSB conta com quatro parlamentares que, pela orientação nacional, devem se posicionar contrários à reforma.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON