Pandemia trouxe de volta a exclusão e a fome na mesa de muitos brasileiros. É hora de ajudar!

Além das ações de solidariedade ao próximo, entidades se organizam para socorrer os hospitais

| ACidade ON - Circuito das Águas -

Vamos voltar a enxergar com os olhos puros como das crianças. Ajude, se puder! Foto: Pixabay/AD Images

(...) Não tomei café, ia andando meio tonta. A tontura da fome é pior que a do álcool. A tontura do álcool nos impele a cantar, mas a da fome nos faz tremer. Percebi que é horrível só ter ar dentro do estômago (...)  

O trecho é do livro "O Quarto de Despejo", escrito na década de 1950 por Carolina Maria de Jesus, e que retrata a constante luta da autora contra a fome, a pobreza, a exclusão social e o racismo. De lá para cá, é claro, tivemos avanços no combate à fome. Mas, agora, a pandemia de Covid-19 nos revela um retrocesso e agravamento na vida de muitos brasileiros, que estão sem emprego, sem renda, sem auxílio, sem ter o que colocar à mesa.

É hora de nos ajudar! De doar aquilo que podemos, seja atenção, coisas boas que não usamos mais, comida e dinheiro. Nas minhas poucas saídas de casa, comecei a rever cenas desumanas que foram despertadas, de pessoas revirando o lixo em busca de alimentos, sem contar o aumento no número de mendigos pelas ruas do centro. Por isso, resolvi fazer um breve apanhado de boas ações que possam nos ajudar a estender a mão àqueles que mais necessitam. Começarei por Campinas, cidade onde moro.

Mobiliza Campinas

Reprodução do site Mobiliza Campinas
Pedi para a Camila Stefanelli, que faz parte do Comitê Mobiliza Campinas, que falasse um pouco desta ação, que está em sua segunda fase. Esse comitê é formado por seis organizações sem fins lucrativos de Campinas. São elas: Associação de Educação do Homem de Amanhã Guardinha, Centro Comunitário do Jardim Santa Lúcia, Centro Educacional de Assistência Social Menino Jesus de Praga, Fundação FEAC, Grupo Primavera e Projeto Gente Nova.

Eles atuam em rede com mais de 90 organizações presentes nos territórios mais vulneráveis da cidade, responsáveis por identificar, cadastrar as famílias carentes de acordo com os parâmetros de seleção,  distribuir e monitorar o uso de cartões de auxílio. Assista ao vídeo feito por Camila para entender a ação.   


A nova edição da campanha Mobiliza Campinas foi lançada em 22 de fevereiro e as primeiras entregas de cartões acontecerão na próxima semana. O recurso beneficiará, incialmente, mais de 4 mil famílias, que receberão cartões de alimentação nos quais serão depositados, por quatro meses, R$ 120 mensais, perfazendo um total de R$ 480. Mas, o objetivo da campanha é dobrar o valor arrecadado e alcançar 8 mil famílias. Quer ter mais informações e/ou fazer uma doação? Clique aqui

"Tem gente com fome"

Outra ação séria e desta vez nacional é a "Tem gente com fome". Ela é realizada pela Coalizão Negra por Direitos, Anistia Internacional, Oxfam Brasil, Redes da Maré, Associação Brasileira de Combate às Desigualdades, 342 Artes, Nossas - Rede de Ativismo, Instituto Ethos, Orgânico Solidário e pelo Grupo Prerrogativas. O lançamento foi na última terça-feira (16). O nome da campanha é inspirado no poema "Tem gente com fome", do pernambucano Solano Trindade, poeta, escritor, teatrólogo, cineasta, artista plástico e militante histórico do movimento negro brasileiro que morreu em 1974. Confira o vídeo abaixo para saber mais.  

A campanha de financiamento coletivo tem o objetivo de arrecadar alimentos em cestas básicas para entregar a quase 223 mil famílias mapeadas sem condições de fazer suas refeições no país. O site para doações é o www.temgentecomfome.com.br, que pode receber contribuições de diversas faixas de valor. As doações serão revertidas em alimentos, produtos de higiene e produtos de limpeza.

Infelizmente, o Brasil está no caminho de voltar a integrar o mapa mundial da fome. De acordo com dados de 2020 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Cidadania, mais de 39 milhões de pessoas estão vivendo na miséria, 14 milhões em situação de extrema pobreza e 14 milhões desempregadas. De acordo com matéria do IBGE, "a taxa média de desocupação em 2020 foi recorde em 20 estados do país, acompanhando a média nacional, que aumentou de 11,9% em 2019 para 13,5% no ano passado, a maior da série histórica da PNAD Contínua, iniciada em 2012." 

Reprodução do site "Tem gente com fome"
Entidades assistenciais também pedem socorro

Várias entidades também estão pedindo socorro. Você já pensou nas entidades de sua cidade? Pode ser uma boa hora de ajudar. Em Campinas, existem muitas. Por isso, irei exemplificá-las através de uma centenária, o Lar de Velhinhos de Campinas . Além das questões do isolamento, que afastou as visitas no asilo, outro ponto tem preocupado muito a entidade: a queda nas doações.

Desde que a Covid-19 se tornou uma realidade no país, as doações financeiras do Lar dos Velhinhos caíram 70%. A casa atende hoje 100 idosos carentes, que são acolhidos em todas as suas necessidades. Por isso, precisa de auxílio para o atendimento não parar. "Mais do que nunca, estamos precisando de toda ajuda. PRECISAMOS DA SUA AJUDA!", pedem os idosos. De acordo com a entidade, "não existe doação pequena, qualquer quantia é importante". Confira a imagem com os dados bancários para doação e assista ao vídeo com o pedido dos idosos atendidos. 

Divulgação do Lar dos Velhinhos de Campinas

Ajuda para a área médica

Já o Senai-SP voltou a oferecer aos hospitais públicos o serviço gratuito de reparo em respiradores artificiais, equipamentos essenciais para os casos mais graves da Covid-19. Em 2020 foram consertados mais de 200 respiradores. Os hospitais que estiverem com respiradores parados, por defeito e necessidade de reparo, podem entrar em contato com o Ciesp ou Senai da sua região e encaminhar a solicitação. 

Divulgação do Senai-SP
Outra ação importante é a criação de um banco de dados para as instituições de saúde que precisem de mão-de-obra para atuar neste momento tão crítico da pandemia. Ele foi lançado recentemente pela Sociedade de Medicina e Cirurgia de Campinas (SMCC). Esse cadastro emergencial de médicos de Campinas e região interessados em trabalhar no atendimento a pacientes com Covid-19 é uma tentativa de ajuda aos serviços de saúde, que estão com muita dificuldade para contratar médicos, tanto para enfermaria quando para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

De acordo com a SMCC, o cadastro está aberto a médicos, associados ou não à SMCC e deve ser preenchido no site da sociedade www.smcc.com.br. Ele reúne informações pessoais básicas do candidato, cidade onde mora, se possui alguma especialidade e se tem preferência por algum ambiente de trabalho. Todas as informações ficarão no banco de dados da SMCC, para uso exclusivo dessa ação, e serão disponibilizadas a instituições de saúde que estejam precisando contratar de maneira emergencial.

Ainda segundo a entidade, o tipo de contratação, remuneração e local de trabalho serão definidos entre as instituições e os candidatos em um segundo momento. "A SMCC vai reunir e disponibilizar os dados para as instituições que nos solicitarem de maneira oficial, mas todo contato e processo de contratação serão definidos pelas instituições e pelos candidatos", explicou a presidente da SMCC, a médica Fátima Bastos, por meio da assessoria de imprensa.  

Reprodução do site da SMCC
O fluxo do cadastro será o seguinte: Médico preenche o cadastro > SMCC recebe > hospital/instituição de saúde requisita oficialmente > SMCC envia > instituição e candidato dão continuação ao processo, sem qualquer interferência da SMCC. Os candidatos que precisarem de informações podem entrar em contato pelo e-mail da SMCC: cadastroemergencial@scmm.com.br. O cadastro pode ser acessado no site da instituição. Na página inicial, já tem um banner redirecionando para o cadastro.

Outras ações podem estar acontecendo até mais perto de você! Se puder, ajude! Não podemos deixar a fome ganhar essa batalha pela vida.  A maior ladra do mundo/Que nesse exato segundo/Roubou mais algumas vidas!/Continuei sem saber/Do que é, que a fome é feita/Mais vi que a desigualdade/Deixa ela satisfeita/Foi aí que eu percebi/Por isso que eu não a vi/Eu olhei pro lado errado/Ela tá em outro canto/Entendi que a dor e o pranto/Era só seu resultado! Esse é um trecho do poema "A origem da fome", do poeta, cordelista, declamador e palestrante brasileiro Bráulio Bessa. Para finalizar, deixarei ele declamar sua poesia aqui na íntegra. Que possamos partilhar, incluir e amar mais! Doe e salve uma vida!