Aguarde...

colunistas e blogs

'Depois do Vendaval' faz parte da memória de minha infância

Filme que tem no elenco o ator John Wayne foi exibido em Amparo no dia em que o alambrado do estádio caiu durante jogo entre Santos e Corinthians em 1964

| ACidade ON - Circuito das Águas

Filme Depois do Vendaval com John Wayne e Maureen O´Hara (Foto: Reprodução Internet)
 A primeira vez que vi este filme foi no Cine Amparo na vesperal do dia 20 de setembro de 1964. E como muitos outros, marcou a minha infância. É um dos meus favoritos. Mas o fato relevante neste dia foi que enquanto eu estava no cinema, a televisão exibia o jogo de futebol Santos FC X Corinthians e aos 7 minutos do primeiro tempo, o alambrado do estádio santista desabou para desespero de milhares de torcedores. Muitos deles se feriram. 

O árbitro da partida, Armando Marques, decidiu não dar andamento ao jogo, apesar de o alambrado ter sido colocado no local e a situação ter sido contornada pelos policiais e pelos próprios jogadores das duas equipes que socorreram os feridos levando-os para os vestiários. Alguns deles, com ferimentos mais graves, foram encaminhados à Santa Casa e também à Beneficência Portuguesa, no Canal dois. Ninguém morreu. 

Pagaram ingresso neste jogo 32.986 e a renda atingiu a soma de Cr$ 19.397.600,00. O Peixe jogou com Gilmar, Ismael, Olavo e Geraldino; Zito e Lima; Peixinho, Gonçalo, Toninho, Pelé e Pepe. O técnico era Luiz Alonso Perez, o Lula. O dinheiro arrecadado foi doado às Santas Casas de Santos e São Paulo. Os clubes dividiam 10% do total arrecadado apenas para o pagamento das despesas. 

Sinopse e comentários:  

Voltamos ao filme. John Wayne interpreta o boxeador Sean Thornton, que depois de matar involuntariamente seu adversário no ringue, saiu da América para retornar ao seu país de origem, a Irlanda. O objetivo era recomeçar uma vida mais tranqüila e pacata.  

Logo na chegada ele conhece e se apaixona pela ruiva temperamental, interpretada pela ótima Maureen O´Hara. Mas a moça além de ter um gênio terrível era irmã do irascível Will Danahar, o valentão do local que vê Sean como um forasteiro intrometido e, por isso, lhe renega. 

A paz que Sean buscava parecia perdida em meio ao tumulto que a situação gerou. Will o desafia para uma luta, que ele se vê obrigado a enfrentar. Depois de se atracarem exaustivamente, ambos se reconciliam e acertam o empate.  

Então finalmente Sean consegue permissão para se casar com Mary Kate, mas seu duro cunhado nega o dote da noiva e ela enfezada tenta fugir de trem para Dublin. Em uma cena memorável, Sean vai buscá-la na estação e arrasta-a por 6km pelos cabelos até a fazenda do irmão.  

Produzido em 1952 sob a direção do brilhante John Ford "Depois do Vendaval" se tornou um dos filmes mais encantadores da história do cinema. Ford uniu-se ao seu ator predileto, John Wayne, numa perfeita parceria, para falar da edênica e bucólica Irlanda da sua infância. 

Esta foi á primeira produção da Republic filmada fora dos Estados Unidos. E é um dos poucos filmes de Hollywood em que o gaélico - a língua nativa irlandesa - é falado. Barry Fitzgerald, que interpreta o personagem do padre católico Michaleen Oge Flynn, e Arthur Shields, que interpretou o vigário protestante Cyril 'Snuffy' Playfair, eram irmãos na vida real.  

Eles também apareceram juntos em outro filme do diretor John Ford, "A longa viagem de volta", em 1940. Ambos eram protestantes nascidos em Dublin, Irlanda. Shields era o nome da família.  

De acordo com uma entrevista ao jornal "Los Angeles Times", em 28 de outubro de 2000, Maureen O'Hara contou que ela, John Ford e John Wayne fizeram um acordo de aperto de mão em 1944 para fazer o filme. 

Quando Ford apresentou a idéia aos produtores de Hollywood disseram-lhe que se tratava de uma "história irlandesa boba que não renderia um centavo". Wayne tinha um contrato com a Republic Pictures e abordou o chefe do estúdio Herbert J. Yates: "um degrau para John Ford", disse ele.  

Yates respondeu a ele que o roteiro era um conto irlandês idiota que não renderia dinheiro. No entanto, Yates cederia se Wayne, Ford e O'Hara juntos fizessem um western para a Repúblic, um certo gerador de dinheiro que pagaria pelas perdas que filme traria. Foi então que filmaram "Rio Grande", um outro grande clássico de Ford.  

Victor McLaglen tinha 64 anos e estava com a saúde debilitada no momento das filmagens. Então sua luta com John Wayne teve que ser filmada com muito cuidado.  

Maureen O'Hara não teve dublê para a cena em que John Wayne a arrasta pelos campos de volta ao vilarejo e fica machucada pelo terreno acidentado. Dizem que quando Maureen O'Hara faleceu, em 2015, ela estava ouvindo a trilha sonora de Victor Young para o filme.  

Este filme foi incluído na lista de 1998 do American Film Institute entre 400 indicados para os 100 maiores filmes americanos. E foi selecionado pela Biblioteca do Congresso para preservação no Registro Nacional de Filmes em dezembro de 2013.  

John Wayne dirigiu a sequência da corrida de cavalos enquanto John Ford estava doente. A trilha sonora do filme foi produzida por Victor Young, que fez um excelente trabalho ao usar melodias irlandesas tradicionais na partitura.
A música "The Isle of Innisfree", que foi gravada por Bing Crosby para a Decca, rendeu bons dividendos para ele no ano em que "Depois do Vendaval" foi lançado.  

O grande cineasta Steven Spielberg prestou duas belas homenagens ao filme "Depois do Vendaval". Uma delas no filme "1941", que foi o único grande fracasso de bilheteria de Spielberg. Trata-se de uma sátira engraçadíssima e séria sobre as paranoias americanas.  

Seu compositor de sempre, John Williams, colocou no meio de uma cena de briga generalizada americanos de uniforme de uma cor socando americanos de uniforme de outra cor. Acordes de um dos temas criados por Victor Young para a trilha sonora do filme de John Ford.  

E, no filme "E.T. o Extraterrestre", um dos maiores sucessos de bilheteria de todos os tempos, Spielberg refaz, quase que literalmente, uma belíssima tomada de "Depois do Vendaval". No meio de uma ventania, o garotinho mais novo, Elliott (Henry Thomas), pega a mão da coleguinha mais bonita da escola, puxa-a para perto de si e a beija.  

É a recomposição exata da sequência em que Sean Thorton chega ao chalé que acabou de comprar e descobre que Mary Kate Danaher está lá. Venta forte lá fora, há ruídos altos de tempestade; Mary Kate se aproxima da porta para sair, Sean Thorton segura-a pela mão, puxa-a para perto de si e a beija. Leva uma boa bofetada na cara e, um segundo antes de ela fugir correndo, a beija novamente. 

O mestre John Ford, grande cineasta conhecido por dirigir maravilhas clássicas do cinema, como "Nos tempos das diligências" e em "Rastros de ódio" (ambos com John Wayne), deixa um pouco de lado seu estilo de produção visto em faroestes para nos apresentar uma história leve e rica em detalhes sobre a Irlanda.  

Para isso tem no elenco o grande ator John Wayne, que está mais descontraído e sem armas em punho, numa brilhante performance ao lado de Maureen O´Hara. John Ford recebeu o Oscar em 1953 por melhor diretor. E Winton C.Hoch o Oscar de melhor fotografia. O filme foi indicado nas categorias:
*Melhor ator coadjuvante (Victor McLaglen)
*Melhor direção de arte (Frank Hotaling)
*Melhor filme
*Melhor roteiro adaptado (Frank S. Nugent)
*Melhor mixagem de som
É um filme obrigatório para quem ainda não conhece. Ele retrata caprichosamente uma Irlanda pitoresca e folclórica.  

Ficha técnica
Filme:
"Depois do Vendaval"
Direção: John Ford
Produção: Republic Pictures
Ano: 1952
Elenco: John Wayne, Maureen O'Hara, Barry Fitzgerald, Ward Bond, Victor McLaglen, Mildred Natwick, Francis Ford, Eileen Crowe e Arthur Shields
Roteiro: Frank S. Nugent
Produção: John Ford e Merian Cooper
Música original: Victor Young
Fotografia: Winton C. Hoch
Figurino: Adele Palmer



Mais do ACidade ON