Aguarde...

"Canhões de Navarone" é um clássico da história do cinema

Filme foi rodado em ilhas da Grécia no início dos anos 60 e até hoje é reverenciado por cinéfilos do mundo inteiro

| ACidade ON - Circuito das Águas

Cena do filme "Os Canhões de Navarone" (Foto: Reprodução/Internet)
 A trama básica do filme é dois canhões imensos instalados no topo da Ilha de Navarone (Grécia), que impediam a marinha britânica de resgatar 2 mil soldados ingleses na Ilha de Kheros, prestes a ser invadida pelos alemães durante a Segunda Guerra Mundial. 

Depois de várias tentativas fracassadas de invadir Navarone por ter terra e pelo ar no intuito de destruir os canhões, um comando de especialistas militares com o apoio da resistência grega é enviado para a região de forma sorrateira e com o objetivo de localizar a base e explodir os canhões. 

O filme foi baseado no livro "Os Canhões de Navarone", escrito por Alistar Mclean. Esta foi sua obra mais famosa, o que levou o autor a escrever uma continuação: "Depois de Navarone", também adaptado para o cinema com o título de "O Comando 10 de Navarone", estrelado por Robert Shaw, Harrison Ford e Barbara Bac. Este filme, porém, não obteve o mesmo sucesso do primeiro. 

A equipe de militares e guerrilheiros apresentada no livro é bem diferente a do filme adaptado por Carl Foreman. Outros de seus best-sellers foram: "Estação Polar Zebra", "A Ilha dos Ursos", "Quando Oito Sinos Tocam", "Desafio das Águias", todos eles adaptados para a telona. 

Alistar Mclean atuou na marinha de guerra britânica por ocasião da Segunda Guerra Mundial como marinheiro de 1ª e 2ª classe. Em "Os Canhões de Navarone" o líder do comando é o capitão Keith Mallory (Gregory Peck), um dos maiores alpinistas do mundo. Anthony Quinn vive Andrea Stravous, um guerrilheiro da resistência grega. David Niven é Dusty Miller, um cabo do exército britânico, técnico em explosivos. 

Stanley Baker é um mecânico britânico apelidado de "Açougueiro", por ter matado muitos alemães e espanhóis na guerra civil espanhola. Tem ainda Pappadinos, vivido pelo ator James Darren, um jovem grego a serviço do exército britânico, e o major Franklin (Anthony Quayle), que é o estrategista do plano de ataque a Navarone, escalando montanhas com o objetivo de atacar a fortaleza onde estão os canhões. 

Lendo o livro percebemos que o comando é auxiliado por um jovem casal: a bela Louki e Panayis. No filme, o casal foi substituído pelas personalíssimas Irene Papas (Maria) e Gia Scala (Anna). 

Aparece também no livro Andrew Stevens, que é um alpinista no mesmo nível do capitão Mallory, mas ele tem sérios problemas de autoconfiança e é considerado um covarde, a ponto de prejudicar a missão. No filme, o personagem foi substituído pelo major Franklin (o excelente ator Anthony Quayle), que nada tem haver com Andrew Stevens. 

O filme aprofunda o conflito entre os personagens e as dificuldades da equipe para executar a missão. Desde o início da operação, a impressão é que os alemães estão por dentro dos movimentos do comando. Ao desenrolar da missão em todos os movimentos que fazem em território grego, a equipe é surpreendida por situações inesperadas que tenta abortar o ataque. 

Somente nos vinte minutos finais é que vamos entender por que tudo acontece repentinamente e somos pegos de surpresa ao desenrolar do filme. O suspense está sempre presente em "Os Canhões de Navarone". 

Assisti a este filme repetidas vezes e é um dos meus favoritos. Muito entusiasmado, quando adolescente, pesquisei onde realmente ficava a tal Ilha de Navarone, na Grécia e fiquei decepcionado. Navarone não existe. Ela é fictícia. 

Na verdade, trata-se da Ilha de Rodes onde o filme foi rodado. Já a Ilha de Kheros existe e pelo que consta por ocasião da Segunda Guerra Mundial não tinha nenhum objetivo militar e o fato dos 2 mil soldados britânicos isolados na ilha é pura ficção. 

Os figurantes que aparecem no filme são nativos da Ilha de Rodes. Eles gostaram tanto da equipe e especial de Anthony Quinn que batizaram um local no Mar Egeu de Baía Anthony Quinn. No início do filme o diretor J.L. Thompson presta uma homenagem ao povo grego e em especial aos nativos da Ilha de Rodes. 

O filme é uma produção de 1960 e por ocasião do seu lançamento 1961, nos Estados Unidos, não pode ser exibido em alguns estados, incluindo Nova Iorque por causa do roteirista Carl Foreman, que figurava na lista negra do comitê de atividades anticomunista, taxado como subversivo. O elenco é extraordinário e a competente direção de J. L. Thompson mantém o espectador em permanente interesse no filme. 

"Os Canhões de Navarone" recebeu, em 1962, um Oscar na categoria de melhores efeitos especiais e foi indicado nas categorias de melhor diretor, melhor montagem, melhor trilha sonora, melhor filme, melhor som e melhor roteiro adaptado.
Recebeu também uma indicação ao Bafta, na categoria de melhor roteiro britânico. E recebeu também um Globo de Ouro nas categorias de melhor filme (drama) e melhor trilha sonora, além de ter sido indicado na categoria de melhor diretor (J.L.Thompson). 

É um ótimo filme e fez enorme sucesso quando exibido nos cinemas.  

Ficha Técnica 

Filme: "Os Canhões de Navarone"
Direção: J.L. Thompson
Produção: 1960 
Elenco: Gregory Peck, David Niven, Anthony Quinn, Stanley Baker, Anthony Quayle, James Darren, Irene Papas, Gia Scala, James Robertson Justice e Richard Harris
Roteiro: Carl Foreman
Música: Dimitri Tiomkin
Fotografia: Oswald Morris
Edição: Alan Osbiston









Mais do ACidade ON