Publicidade

Blogs e colunas   -   Ao som da claquete

"Alerta Vermelho" tem narrativa baseada em caça ao tesouro

Com Ryan Reynolds, Gal Gadot e Dwayne Johnson no elenco principal, o longa-metragem acompanha o agente John Hartley em sua busca por dois criminosos de arte

| ACidade ON - Circuito das Águas -

Trio de protagonistas do longa-metragem "Alerta Vermelho" (2021) (Foto: Divulgação)
O trio de atores mais cotado no panorama atual do cinema hollywoodiano se une em uma narrativa baseada em uma caça ao tesouro extraordinária em Alerta Vermelho, nova produção da plataforma de streaming Netflix. Com Ryan Reynolds, Gal Gadot e Dwayne Johnson no elenco principal, o longa-metragem escrito e dirigido por Rawson Marshall Thurber acompanha o agente especial do FBI John Hartley em sua busca pelos dois criminosos de arte mais famosos do planeta, os chamados alertas vermelhos.

A trama tem início em Roma, na Itália, quando John Hartley se une a uma agente da Interpol para capturar o ladrão Nolan Booth durante um plano audacioso, no qual o criminoso pretende roubar um dos ovos da Cleópatra. Após escapar das mãos das autoridades, Nolan é encontrado em seu refúgio pelo personagem de Dwayne Johnson.
 
Dwayne Johnson em "Alerta Vermelho" (2021) (Foto: Divulgação)
Entretanto, a credencial de Hartley é posta em cheque quando a Interpol recebe informações de que ele não é um agente do FBI. Com a descoberta, Hartley é enviado para a mesma prisão de Booth, na Rússia. Tendo certeza de que tudo não passou de um plano do Bispo, o outro maior criminoso de arte da Terra, John Hartley propõe um acordo à Nolan Booth: os dois se juntam para escapar da cadeia e para resgatar o ovo roubado.

Com isso, Hartley pretende recuperar a sua identidade e Booth aspira se tornar o melhor ladrão de artefatos artísticos do mundo. Entretanto, para a parceria funcionar, os dois precisarão deixar de lado algumas crenças e dar o braço a torcer em determinados assuntos para alcançar o objetivo em comum.
 
Dwayne Johnson e Ryan Reynolds em "Alerta Vermelho" (2021) (Foto: Divulgação)
Enquanto os dois enfrentam as dificuldades da fuga do encarceramento, o Bispo, interpretado pela bela Gal Gadot, vai em busca do misterioso e perdido terceiro ovo de Cleópatra. Como todos buscam pela mesma coisa, o caminho dos três não tarda a se encontrar. Em uma trama cheia de lugares bonitos e figurinos de tirar o fôlego, Alerta Vermelho cativa pelos personagens, mas não impressiona com o roteiro sem grandes inovações.

Considerada a produção mais cara da Netflix, o filme de Rawson Marshall Thurber abusa dos efeitos especiais e das cenas recheadas de explosões. O longa-metragem também conta com diversas lutas corporais e belíssimas sequências realizadas por dublês muito habilidosos. Desde a primeira cena dos protagonistas, já é possível visualizar como será o ritmo do filme: frenético e cheio de ação. No decorrer do desenvolvimento, a trama possui poucos instantes mais calmos e serenos, que são rapidamente cortados por diálogos divertidos.
 
Cena do longa-metragem "Alerta Vermelho" (2021) (Foto: Divulgação)
Com um elenco repleto de estrelas, parecia ser impossível se destacar. Entretanto, Ryan Reynolds se sobrepõe aos seus colegas com extrema facilidade e destreza. Apesar de Dwayne Johnson e Gal Gadot possuírem personagens mais complexos, a simplicidade de Nolan Booth não parece ser um desafio para que o ator canadense roube a cena em todos os momentos em que aparece na tela.

Sua performance não se distancia de outros projetos de sua carreira, com uma atuação que remonta cenas de Deadpool e Free Guy: Assumindo o Controle, uma fórmula que parece funcionar perfeitamente de acordo com as suas habilidades como ator. Seu personagem é sarcástico e sempre leva qualquer situação para o lado mais cômico possível, uma contraposição ao jeito mais sério de Gadot e a personalidade mais imponente de Johnson.
 
Ryan Reynolds interpreta Nolan Booth em "Alerta Vermelho" (2021) (Foto: Divulgação)
Com temas diversos ao longo de uma duração de pouco menos de duas horas, Alerta Vermelho aborda tesouros do Egito, nazistas e, erroneamente, a flora e a posição da Argentina na América do Sul. Em meio a tantos assuntos, o longa-metragem acaba se perdendo em um grande clichê do gênero, mas consegue recuperar o espectador com um desfecho pouco previsível e que possibilita uma nova franquia de filmes.
 
Confira mais críticas e dicas sobre lançamentos de filmes na página Ao Som da Claquete!

Edmo Bernardes

Sobre o colunista

Bruna Ferreira é uma jornalista apaixonada por filmes, séries, trilhas sonoras e tudo que envolve o universo cinematográfico. Um pouco geek, fascinada por Senhor dos Anéis, Harry Potter e Quentin Tarantino. Leitora voraz e ansiosa por adaptações de seus livros favoritos. A coluna é dedicada a reflexões e pensamentos sobre filmes e lançamentos da sétima arte.

Publicações



Facebook



Publicidade

Publicidade