Aguarde...

cotidiano

Holambra: Apelo para a venda de flores no Dia da Mulher

Segundo Instituto Brasileiro de Floricultura, data representa 8% do faturamento anual do país; com a restrição para o comércio produção pode ir para o lixo

| ACidade ON - Circuito das Águas

Produção de rosas (Foto: Divulgação)
O Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), em Holambra, tem enviado ofícios aos governadores e prefeitos dos principais estados do país para solicitar o funcionamento de floriculturas nos próximos dias, após o decreto de fase vermelha, em alguns casos até lockdown,  devido ao agravamento da pandemia do novo coronavírus.

A medida visa diminuir os impactos das vendas para o Dia Internacional da Mulher, comemorado na segunda-feira (8), uma vez que a data representa 8% do faturamento anual do setor. O documento também pede a flexibilização dos decretos que determinam o fechamento de comércios às vésperas da comemoração.

"A data simboliza uma luta histórica de reivindicação e de reconhecimento dos direitos das mulheres e deve ser lembrada de forma ainda mais especial agora, quando vivenciada em tempos tão difíceis. Nosso intuito é salvar toda a cadeia de mais um grande prejuízo, além de possibilitar que as nossas flores e plantas possam alcançar as casas de todas as mulheres que representam essa luta", relata o presidente do instituto, Kees Schoenmaker.

O ofício faz um lembrete de que as flores foram classificadas como produtos agropecuários pelo Comitê de Crise Covid-19, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). Portanto, os estabelecimentos que fazem o comércio do produto são considerados como serviços essenciais.

"Trabalhamos com produtos vivos, perecíveis, e estamos classificados como produtos agrícolas, assim como os hortifrutis. Uma vez que as floriculturas e gardens centers sigam rigorosamente as diretrizes de segurança sanitária estabelecidas pelos órgãos de Saúde, não há justificativa para fechá-las", comenta Kees Schoenmaker.

Risco de ir para o lixo

Segundo o Ibraflor, o faturamento no ano de 2020 teve uma queda de 90% em toda a cadeia de produção, o que resultou em um déficit de R$ 1,360 bilhão para o setor. O presidente do instituto ainda salienta que as floriculturas não geram aglomerações ou colocam em risco as medidas sanitárias, mesmo em datas comemorativas, e que o produto comercializado não pode ser conservado.

"A impossibilidade de abertura para este Dia da Mulher representará novos e enormes prejuízos para toda a cadeia produtiva das flores e plantas ornamentais do Brasil, pois não há como estocar os produtos para vendas futuras. As plantas e flores já plantadas e colhidas, se não comercializadas, terão novamente o lixo como destino, como ocorreu no início da pandemia", afirma.

Alternativa lucrativa

Renata Mazarini Cazassa é dona da loja Casa Flor, na região e vende flores de produtores de Holambra. Ela afirma que já não tem muitas esperanças quanto ao faturamento para esta data comemorativa.

"As nossas expectativas para o Dia Internacional da Mulher diminuíram por causa da fase vermelha. Antes, era uma data bem forte. Mas esse ano entramos na fase vermelha de novo, então não estamos apostando tanto nesta data", relata a proprietária.

Os setores de produção e venda de flores têm sofrido impacto no comércio desde o ano passado, quando a pandemia do novo coronavírus teve início. Apesar dos dias fechados e da queda na distribuição do produto, o ano de 2020 terminou de forma positiva para Renata.

"O faturamento no ano passado foi razoável. Ficamos quinze dias fechados, mas depois entramos como serviço essencial e não sentimos tanto por conta disso. Tivemos os meses de março e abril, que foram os mais difíceis, mas acabou dando uma melhorada e tivemos uma média anual positiva", diz.

A proprietária da Casa Flor explica que as vendas concluídas durante a pandemia da covid-19 têm uma forte ligação com a mudança do regime de trabalho para o sistema home office.

"Quando as pessoas ficam em casa, acabam cuidando mais das plantas e visualizando um canto em que pode ser colocado outro tipo de flor ou planta, pois querem deixar o espaço mais agradável já que vão ficar mais tempo em casa", finaliza.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON