Publicidade

cotidiano

Circuito registra correria e filas em postos de combustíveis

Moradores temem o desabastecimento após protestos de caminhoneiros; Amparo, Pedreira e Serra Negra registraram grande movimentação para abastecer os veículos

| ACidade ON - Circuito das Águas -

Amparo tem registro de filas de automóveis em postos de combustíveis nesta quinta-feira (9) (Divulgação)
Ao menos três cidades da região do Circuito das Águas registraram correria e filas para abastecer veículos em postos de combustíveis na manhã desta quinta-feira (9). Os motoristas temem uma nova paralisação dos caminhoneiros e o desabastecimento, assim como aconteceu após a série de protestos no ano de 2018.

Os registros de filas foram realizados nos municípios de Amparo, Pedreira e Serra Negra, onde um grande número de carros foi avistado aguardando o abastecimento. Segundo o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), não houve bloqueios de caminhoneiros em vias do Circuito das Águas.

Apesar do receio dos moradores, o sindicato da categoria disse que o movimento dos caminhoneiros ainda não afetou o abastecimento nos postos. Em nota, o Sindicato dos Postos de Combustíveis de Campinas e Região (Recap) disse que está monitorando a situação das mobilizações de caminhoneiros no país.

"O sindicato reforça que é importante que não se crie pânico. Até o momento, trata-se de um movimento pontual, que não afetou, nesta manhã, o abastecimento dos postos".

Ainda segundo o sindicato, já houve normalização do carregamento de caminhões de combustíveis na refinaria de Paulínia. Diante da dispersão do movimento, a expectativa é que não haja desabastecimento nos postos.

Protesto na Zeferino Vaz

Um grupo de caminhoneiros realizou uma manifestação nas margens da Rodovia Zeferino Vaz (SP-3320), entre Campinas e Paulínia, nesta quinta-feira (9). O protesto, que começou logo no início da manhã, reuniu cerca de 30 caminhões no acostamento da rodovia, próximo à Replan (Refinaria de Paulínia), e acabou por volta das 10h30.

O grupo protestou a favor do governo do presidente Jair Bolsonaro e contra os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Não houve interdição de faixas e nem bloqueio de trânsito. O protesto foi acompanhado pela Polícia Rodoviária. Segundo a corporação, os manifestantes liberaram o tráfego de caminhões e se dispersaram por volta das 9h30.

Manifestação

Os protestos da categoria começaram na última quarta-feira (8), um dia após os atos do feriado de 7 de Setembro, em vários pontos do país. Apesar do movimento, o presidente Jair Bolsonaro gravou um áudio pedindo para que os caminhoneiros liberem as estradas do país. Na gravação, Bolsonaro disse que a ação "atrapalha a economia" e "prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres".

Um boletim emitido pelo Ministério da Infraestrutura sobre a situação de bloqueios nas estradas e informou que, às 20h30 de quarta-feira (8), foram registrados pontos de concentração em rodovias federais em 14 Estados, sendo 12 com abordagem a veículos de cargas.

 


Mais notícias


Publicidade