Publicidade

cotidiano

Fazenda da Barra retrata passeio pela história de Jaguariúna

Após período de restauração, local que costumava viver do cultivo do café funciona como sede do canil da Guarda Municipal e de instalações da Escola das Artes

| ACidade ON - Circuito das Águas -

Fazenda da Barra, em Jaguariúna (Foto: Ivair Oliveira)

A Fazenda Barra é um dos patrimônios históricos mais importantes do município de Jaguariúna. Nos últimos anos, o local que costumava funcionar com o cultivo de café e cereais passou por uma série de restaurações e já opera como sede de diversas atividades da administração municipal, como o Canil da Guarda Municipal e as instalações do curso de gastronomia da Escola das Artes.

Segundo a prefeitura, a fazenda ainda contará com visitação aberta ao público por uma galeria dos prefeitos, e irá sediar uma exposição com ambiente didático e acervo de notícias da Revolução Constitucionalista de 1932. Além disso, a Capela Centenária presente no terreno também está em fase final de restauração, de acordo com a administração.

Patrimônio histórico

A história da Fazenda da Barra começa a ser contada em meados do século XIX, quando houve a divisão da sesmaria do Coronel Luís Antônio Sousa e de seu sócio, Bernardo Guedes Barreto. Após o falecimento de seu pai, José Guedes de Sousa, conhecido como Barão de Pirapitingui, José Alves Guedes herda as terras e assume 1,5 mil alqueires, sendo que 150 alqueires foram utilizados para o cultivo de café, alterando com o cultivo de milho, feijão, arroz e outros cereais.

Dentre os anos de operação, a Fazenda da Barra recebeu a visita de personalidades ilustres, como o Imperador Dom Pedro II, durante a inauguração da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, em 1873, e do poeta Mário de Andrade.

O local também foi a moradia de Olívia Guedes Penteado, uma grande personalidade feminina do século 20, sendo a primeira deputada do Brasil, mecenas das artes e influenciadora da Semana de Arte Moderna de 1922. Além disso, ela lutou pelo direito ao voto para as mulheres e foi apoiou as famílias paulistas durante a Revolução Constitucionalista de 1932.

Com a abolição da escravatura, a fazenda recebeu um grande número de imigrantes italianos, que vieram para a região em busca de trabalho na plantação de café. Com a morte de José Alves Guedes, sua viúva decide vender a área de 400 alqueires que constituía a propriedade em 1932. Entretanto, a Revolução Constitucionalista atrapalha a negociação, e a fazenda é invadida pelas tropas mineiras e sofre sérios danos materiais.

Nos anos seguintes, o local se tornou a sede de uma nova plantação de café, e nas mãos de Joaquim Machado, a fazenda começou a ter outras culturas agrícolas, como o arroz, mamão, algodão e milho, além de avicultura e pecuária.

A Fazenda da Barra e uma área envoltória de 16 alqueires foram adquiridas pela prefeitura de Jaguariúna em 2008.

Mais notícias


Publicidade