Aguarde...

cotidiano

Amparo descarta serviço delivery para o comércio

Comissão que representa o setor fez algumas reivindicações de flexibilização para a fase emergencial e "lockdown" nesta segunda-feira

| ACidade ON - Circuito das Águas

Reunião com os representantes do comércio de Amparo (Foto: Divulgação)
 A prefeitura descartou na noite desta segunda-feira (7) a possibilidade alterar o decreto que proíbe as atividades de alguns setores do comércio, mesmo no sistema delivery, durante a fase emergencial e nos próximos três dias de "lockdown", em Amparo. O anúncio foi feito horas depois da comissão que representa a classe dos comerciantes apresentar uma série de reivindicações. Mais tarde, a comissão também foi recebida pelos vereadores na Câmara Municipal. 

"A Prefeitura de Amparo informa que recebeu com respeito uma comissão formada por trabalhadores e representantes do comércio local na tarde de hoje e que, embora solidária com a pauta de reinvindicações, os dados técnicos de ocupação de leitos nos hospitais impossibilitam qualquer alteração no momento", diz trecho da nota oficial recebida pelo ACidade On/Circuito das Águas

"Estamos monitorando a situação e analisando a possibilidade de retomada gradual a partir da próxima segunda-feira.14 de junho", continua a nota. 

DIA AGITADO EM AMPARO

Empresários de diferentes setores do comércio se concentraram em frente à prefeitura de Amparo na tarde desta segunda-feira (7) para mais uma tentativa de obter o direito de retomada das atividades, mesmo que na forma delivery, ainda na fase emergencial. O período de restrições adotado na cidade para conter o avanço da pandemia da covid-19 entrou na segunda semana e prevê a continuação do "lockdown" entre sexta-feira (11) e domingo (13).

De acordo com a presidente da Associação Comercial e Empresarial de Amparo (Acea), Larissa Dematé, a comissão, formada por quatro pessoas, foi recebida por secretários que ouviram os pedidos. O prefeito Carlos Alberto Martins (MDB) passou o dia em São Paulo e não participou do encontro. 

A empresária se mostrava confiante em obter uma resposta positiva, mas como na semana passada isso não aconteceu. "O comércio tem sofrido com as restrições. Sabemos que o momento da pandemia é difícil e reconhecemos que as vidas são mais importantes do que tudo, mas o que pedimos é o mínimo, uma alternativa para que as lojas consigam amenizar o prejuízo. É a semana que antecede o Dia dos Namorados, uma oportunidade de vendas, mesmo que no sistema delivery. É só isso que pedimos", explica.

Após deixar a prefeitura, a comissão seguiu para a Câmara e apresentou as reivindicações aos vereadores, que se solidarizaram com a causa, segundo Larissa Dematé. Ela ainda espera que o Legislativo ajude com a negociação. 

O documento apresentado na Câmara lista cinco itens, todos eles com justificativas. Entre os pedidos estão:
*A liberação do trabalho no sistema delivery para comércios de materiais de construção;
*A liberação do sistema delivery para o comércio de lojas;
*A permissão para que pequenas empresas (como industrias de MDF) trabalhem com 50% dos colaboradores;
*A revogação da medida que proíbe a venda de bebidas;
*Que cidade volte a seguir as medidas do Plano São Paulo a partir de segunda-feira (14).
 

MOMENTO CRÍTICO DA PANDEMIA 

A nota enviada na noite desta segunda pela assessoria de imprensa da prefeitura de Amparo diz que o momento é crítico e que "os números de contágio e o colapso do sistema de saúde pública e privada, obriga o Poder Público Municipal a adotar medidas restritivas severas". 

A prefeitura ainda justifica que sempre que é possível e a primeira a possibilitar a abertura dos estabelecimentos e cita o exemplo das academias e salões de beleza em abril. "Porém, agora o momento é exatamente o oposto, a curva de contágio é dinâmica", ressalta. 

O Executivo ainda afirma que tenta aumentar os leitos de enfermaria, mas cita como dificuldades a falta de espaço físico e a carência de profissionais para atuar na linha de frente. "A Secretaria de Saúde recebeu há pouco mais três pacientes que necessitam de internação, porém não há disponibilidade em Amparo", conclui a nota.



Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON