Vacinação

Sem AstraZeneca, Águas e Holambra suspendem segunda dose

Estâncias estão com o estoque zerado e só retomam à imunização após novo repasse de doses; São Paulo cobra o Ministério da Saúde pelo atraso

| ACidade ON - Circuito das Águas -

SP diz que há falta da vacina da Astrazeneca no Estado (Foto: Denny Cesare/ Código 19)
Águas de Lindoia e Holambra suspenderam a aplicação da segunda dose da vacina AstraZeneca por falta de imunizante no estoque. A retomada depende de um novo repasse do Ministério da Saúde ao governo do Estado de São Paulo. Ainda não há uma data prevista. 

A interrupção do processo de imunização em Águas de Lindoia aconteceu nesta sexta-feira (10). Segundo a prefeitura, a Secretaria de Saúde do município aguarda a chegada de novas vacinas para dar sequência à campanha. Não foi informado o número de pessoas que ficaram sem a segunda dose da AstraZeneca/Fiocruz. 

De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, apenas depois do fechamento do cadastro no final do dia será possível saber com exatidão o número de moradores descobertos. 

A prefeitura ainda informou que as doses das demais fabricantes, como Coronavac e Pfizer, por exemplo, continuam sendo aplicadas. No sábado (11), a Secretaria de Saúde de Águas de Lindoia imuniza com a segunda dose as pessoas que receberam a Coronavac no dia 11 de agosto. 

EM HOLAMBRA 

Os lotes da vacina AstraZeneca/Fiocruz, contra a covid-19, terminaram na quinta-feira (9), em Holambra. A prefeitura suspendeu a aplicação da dose complementar prevista para esta sexta-feira (10). 

Assim como acontece em Águas, o município aguarda a chegada de uma nova remessa do imunizante para dar sequência à campanha e também não informou o número de pessoas que ficou sem a vacina.  

IMPASSE

O governo do Estado de São Paulo acusou o Ministério da Saúde de deixar de enviar cerca de 1 milhão de 2ª doses de AstraZeneca para São Paulo, causando 'um verdadeiro apagão de vacinas nos 645 municípios do estado'. Segundo o governo paulista, o prazo de aplicação destas doses começou a vencer no dia 4 de setembro. 

"A Secretaria de Estado da Saúde cobrou na última semana o órgão federal o envio destas doses para completar o esquema vacinal, conforme a bula do fabricante e diretriz do PNI (Programa Nacional de Imunizações). Novo ofício foi enviado à pasta federal nesta quinta-feira (9)", disse o Estado em nota.

"Além destas 1 milhão de doses, São Paulo precisa receber cerca de 3,2 milhões de vacinas da AstraZeneca para concluir os esquemas vacinais até outubro. Desse total, 1,4 milhão precisam chegar até o dia 20 de setembro. Mais 1,27 milhão devem ser recebidas até a primeira quinzena do próximo mês e outras 465 mil até o final de outubro", acrescentou.

Segundo o governo paulista, o quantitativo total já havia sido solicitado por meio de ofício na última quinta-feira (2), mas não houve resposta pelo Ministério até o momento.

O QUE DIZ O MINISTÉRIO 

De acordo com o Ministério da Saúde, a pasta não está devendo lotes da segunda dose de vacina covid-19 da AstraZeneca ao estado de São Paulo. "Até o momento foram entregues ao estado 12,4 milhões de dose 1 e 9,2 milhões de dose 2 da AstraZeneca. As 2,8 milhões de doses não foram enviadas porque o prazo de intervalo entre a primeira e segunda dose só se dará no final do mês", destaca o ministério, em nota.

Segundo o Ministério da Saúde, dados inseridos por São Paulo no LocalizaSUS mostram que o estado utilizou como primeira dose vacinas destinadas à segunda dose. 

"O estado aplicou 13,99 milhões de dose 1 e 6,67 milhões de dose 2. As alterações nas recomendações do Programa Nacional de Imunizações (PNI) acarretam na falta de doses para completar o esquema vacinal na população brasileira", acrescenta o ministério.


Mais notícias


Publicidade