Aguarde...

ACidadeON

Cotidiano

Mais Médicos deixou o Brasil à mercê de Cuba, diz entidade

| FOLHAPRESS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Conhecida por sua posição crítica ao programa Mais Médicos, a Associação Médica Brasileira divulgou nota neste sábado (17) em que afirma que o governo deixou o Brasil "submisso aos humores de Cuba" ao transferir para médicos cubanos a "responsabilidade pelo atendimento na atenção básica". No documento, a associação atribui a crise atual no programa a uma "retaliação do governo de Cuba ao povo brasileiro" e propõe "soluções emergenciais" diante da saída de médicos do país. Atualmente, de 16 mil médicos que atuam no Mais Médicos, 8.332 são cubanos. Na quarta-feira (14), o governo de Cuba anunciou o fim da participação do país no programa. A decisão foi atribuída a declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), que tem questionado a qualificação de médicos cubanos e manifestado intenção de modificar o acordo, exigindo revalidação do diploma. Entre as medidas sugeridas pela AMB para ocupar as vagas, estão o uso do efetivo atual de médicos das Forças Armadas, a realização de concursos para ampliar o número destes profissionais e a seleção de "médicos oficiais voluntários" para atuarem de forma temporária. A medida, informa, poderia ajudar a reforçar o atendimento sobretudo "em áreas indígenas e de difícil acesso". Em outra frente, a entidade propõe criar subsídios para que médicos recém-formados e que tenham dívidas no Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) atuem no programa, com incentivos como desconto na dívida de acordo com o tempo de permanência e município escolhido. "Também é preciso garantir as mesmas condições ofertadas aos cubanos hoje: moradia, alimentação e transporte." A associação também defende que os recursos usados para pagamento dos médicos cubanos seja incorporado ao piso da atenção básica, área que responde pelo atendimento nas unidades de saúde, para que municípios contratem médicos da região. Para a AMB, o Brasil tem médicos suficientes para ocupar as vagas. "Sabemos que não faltam médicos no Brasil. Hoje, somos 458.624 médicos. Essa crise será resolvida com os médicos brasileiros", informa a nota. Em outubro, a associação divulgou uma carta aberta em que afirma que a eleição de Bolsonaro "mostrou o anseio da nação por uma mudança" e diz que muitas das propostas de campanha "estão em consonância com o que pensa e propõe a AMB". Na última semana, em carta, representantes de entidades chegaram a propor o nome do presidente da AMB, Lincoln Ferreira, para ministro da Saúde. A sugestão gerou uma crise na comunidade médica, conforme mostrou a Folha de S.Paulo. Questionado pela Folha de S.Paulo, Ferreira nega que tenha havido tratativas sobre o tema com a equipe do presidente eleito.

Veja também