Aguarde...

ACidadeON

Cotidiano

Projeto some, e reforma de viaduto na marginal tem formato e prazo incertos

| FOLHAPRESS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Prefeitura de São Paulo não tem nenhuma estimativa de prazo para finalizar a obra do viaduto que cedeu na semana passada na marginal Pinheiros e também desconhece o tipo de técnica de engenharia a ser utilizada no local. Diante disso, decidiu recapear a pista expressa, enquanto essa permanecer interditada para veículos.O viaduto que cedeu passa sobre os trilhos da linha 9-esmeralda da CPTM e é rota de acesso à rodovia Castello Branco, perto do shopping e do parque Villa Lobos, a 500 m da ponte do Jaguaré. A ruptura criou um "degrau" de dois metros na pista, e as causas seguem desconhecidas.Um agravante para essa indefinição sobre a técnica a ser utilizada no local é o desaparecimento do projeto original do viaduto, erguido na década de 1970 a partir de um convênio entre o município e a antiga Fepasa (companhia estadual de trens). A prefeitura pediu ajuda ao governo paulista para tentar encontrá-lo."Estamos na fase de escoramento, depois vêm as estacas e só depois o processo de macaqueamento. Só daí vamos poder ter uma ideia de qual vai ser a engenharia necessária e qual vai ser o prazo necessário para finalizar a obra", disse o prefeito Bruno Covas (PSDB), ao visitar o local nesta segunda-feira.A prefeitura pretende construir dez estacas de ferro na base do viaduto. A medida é necessária para criar um pilar de sustentação secundário na estrutura, para que ela possa ser içada com a ajuda de macacos hidráulicos. O método, como se referiu o prefeito, é chamado de macaqueamento.Por causa da queda do viaduto, a prefeitura inicialmente interditou cerca de 16 km da pista expressa, no sentido Castello Branco, sob o temor de afunilamento de veículos. O trecho bloqueado da expressa agora foi reduzido para cerca de 6 km, após obras para aumentar os acessos de com remoção de calçadas e de barreiras.A expectativa é de altos índices de congestionamento nas vias próximas ao viaduto a partir desta quarta (21), quando os paulistanos voltam ao trabalho e às aulas após um período de seis dias de feriado prolongado. O rodízio de veículos está suspenso por tempo indeterminado no trecho da marginal, sentido Castello Branco, entre a avenida dos Bandeirantes e a ponte dos Remédios.A marginal Pinheiros é a segunda via mais movimentada de São Paulo, atrás apenas da Tietê, e liga a cidade a diferentes rodovias e avenidas. Em apenas uma hora, no pico de tráfego, 13 mil veículos passam pelas oito faixas da via, incluindo a pista local. Cinco dessas faixas estão agora interditadas.As áreas mais atingidas dentro dos bairros são as vias da zona oeste, entre a marginal Pinheiros e o centro. Um esquema especial orienta o trânsito nos eixos das avenidas Faria Lima, Pedroso de Morais, Professor Fonseca Rodrigues e a Doutor Gastão Vidigal.A prefeitura também orienta que os motoristas provenientes das rodovias Anchieta, Imigrantes e Régis Bittencourt peguem o Rodoanel e a rodovia Castello Branco até alcançarem a marginal Tietê. Outras alternativas para quem sai do litoral do estado são as avenidas do Estado e Salim Farah Maluf.De acordo com o secretário municipal de Obras, Vitor Aly, a dificuldade em encontrar as informações da construção da estrutura impõe mais trabalho nessa fase da reconstrução. "O projeto abrevia o trabalho. A engenharia vai nos permitir ter acesso a detalhes da estrutura. Sem isso, vamos ter que reconstruir o viaduto novamente e, a partir disso, ver que tipo de problema afetou a estrutura ", disse.O secretário também informou que está em contato com a secretaria estadual de Transportes para tentar encontrar os documentos. "O secretário me pediu até quarta-feira para encontrar o projeto, já que é feriado prolongado em São Paulo."Procurada a respeito do projeto do viaduto, a CPTM informou que não herdou o viário da Fepasa, apenas o sistema férreo, por isso não pode comentar sobre a demanda.Ainda para obter mais informações sobre a estrutura do viaduto, a gestão Covas buscou a viúva do engenheiro Walter de Almeida Braga (1930-2016), que projetou a estrutura. A viúva, porém, disse que se desfez do acervo do engenheiro.Especializado em estruturas, Braga participou de projetos importantes da cidade, como, por exemplo, o da ponte Júlio de Mesquita Neto, da linha 2-verde do metrô e de parte do Cebolão.Nesta segunda-feira, o prefeito informou que irá pedir autorização ao TCM (Tribunal de Contas do Município) para fazer um contrato emergencial de realização de laudos de engenharia para a manutenção de 185 pontes em viadutos da cidade.Essa avaliação das pontes e viadutos tem sido feita de forma visual pelos funcionários da secretaria de Obras, de acordo com o prefeito.Neste ano, a gestão Covas gastou apenas 5,3% do valor previsto para recuperação e reforço de pontes e viadutos. A administração municipal reservou R$ 44,7 milhões para recuperação e reforço de viadutos e pontes no Orçamento deste ano. No entanto, a menos de um mês e meio do final do ano, gastou até agora apenas R$ 2,4 milhões.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários