Aguarde...

ACidadeON

Cotidiano

'Nem é réu ainda', diz Bolsonaro sobre investigação de indicado para a Saúde

| FOLHAPRESS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente eleito, Jair Bolsonaro, minimizou a investigação de seu futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, confirmado nesta terça-feira (20) para o cargo. "Tinha uma só investigação que é de 2009 se não me engano. Nem é réu ainda. O que está acertado entre nós? Qualquer denuncia ou acusação que vire robusta não fará parte de nosso governo", afirmou.Como revelou a Folha, Mandetta é investigado por suposta fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois na implementação de um sistema de informatização da saúde em Campo Grande (MS), onde foi secretário.A suspeita é de que ele tenha influenciado na contratação de empresas para o serviço, conhecido como Gisa (Gestão de Informação da Saúde), em troca de favores em campanha eleitoral.O deputado Luiz Henrique Mandetta Lucio Bernardo Jr/Câmara dos Deputados O deputado Luiz Henrique Mandetta    O deputado é o terceiro parlamentar do DEM escolhido para compor ministérios do presidente eleito. Da legenda, ele já anunciou como auxiliares Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Tereza Cristina (Agricultura).O eleito, contudo, nega que a filiação partidária tenha motivado as escolhas."Indicação da Tereza Cristina não foi do DEM, foi da bancada da frente parlamentar. A questão do Mandetta, também a bancada da saúde. Não tem nada a ver. O Onyx veio lá atrás. Quando seu partido teve um candidato a presidente, ele esteve comigo", afirmou, em referência à pré-candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ), que não se confirmou.A declaração foi feita após visita de Bolsonaro ao TCU (Tribunal de Contas da União). Ele disse ter ido ao órgão por ser um lugar para 'antecipar problemas'. "Qualquer coisa mais séria podemos mandar técnicos aqui e eles estarão de portas abertas. Nós queremos antecipar problemas", disse.Bolsonaro também anunciou nesta terça que manterá Wagner Rosário à frente da CGU (Controladoria-Geral da União). Ele estudava fundir a pasta ao Ministério da Justiça, mas desistiu da junção. "Pesou ter mais autoridade para conversar com todos os setores de trabalho", disse, sobre a manutenção do status de ministério.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários