ACidadeON

Cotidiano

Avaliação de emoções e habilidades sociais desafia colégios particulares

educação habilidades socioemocionais avaliação

| Estadao Conteudo

Quando recebe o boletim bimestral da escola, Vanessa Panchoni vê, além das notas do filho Vitor, de 10 anos, o desempenho do menino em áreas como cooperação com a turma e protagonismo. As chamadas habilidades socioemocionais têm entrado cada vez mais na rotina de colégios e faculdades, mas a forma de medir o desenvolvimento dessas competências ainda desafia escolas.

Segundo estudos no País e no exterior, o aluno precisa se desenvolver não só na parte cognitiva - mais relacionada a disciplinas tradicionais - mas também nos aspectos ligados à interação, solução de conflitos e autoconhecimento. A Base Nacional Comum Curricular, que prevê objetivos de aprendizagem na educação infantil e fundamental, destaca que os colégios terão de incluir as habilidades socioemocionais em seus currículos até 2020. Apesar da importância do tema, há dificuldade em desenvolver e avaliar essa competência, porque falta consenso sobre como medi-la e apresentar resultados.

Vitor estuda no Anglo Sorocaba, onde alunos recebem um boletim analítico, que mostra a frequência com que apresentam seis habilidades. Quem faz a medida são os professores, pela observação dos estudantes nas práticas - especialmente as de grupo. A "avaliação das emoções" já é feita do 1.º ao 9.º ano do fundamental e, este ano, está sendo aplicada no ensino médio. A ideia, diz a diretora Carol Lyra, é preparar o aluno não só para vestibulares, que já começam a cobrar essas habilidades, mas para interações sociais.

Para cada aspecto avaliado - como cooperação, protagonismo e comprometimento -, o professor tem, nas mãos, uma lista de atitudes práticas que podem indicar domínio da habilidade. Ao avaliar a cooperação, por exemplo, observa, entre outros pontos, se o aluno escuta o colega em um debate.

Criar o sistema de avaliação não foi simples - e o desafio começou com os professores. "Foram treinados para entender o que significa, de fato, ser protagonista, por exemplo. Parece óbvio, mas não é", diz Carol.

Professora do 4.º e 5.º anos, Elaine de Miranda concorda. "Requer mais trabalho. Mas o aluno de hoje está diferente - e o professor também tem de estar." As avaliações da professora se somam às de outras duas das mesmas séries. "Observamos os alunos o tempo todo, como se comportam em grupo."

Vanessa Panchoni, de 35 anos, diz pôr um olho nas notas das matérias e o outro nas das habilidades. Coach de carreiras, ela vê vantagens em medir os aspectos socioemocionais. "Sabemos que o que faz diferença no futuro não é a parte técnica, mas o comportamento, como se lida com as emoções." Saber onde o filho precisa se desenvolver, diz, ajuda até a propor atividades em casa.

Com nota

Na Escola Santi, zona sul paulistana, o aluno do 7.º ano tem na grade curricular atividades para desenvolver habilidades socioemocionais. O novo currículo começou este ano. No 1.º trimestre, o foco foi em autoconhecimento, com atividades obrigatórias semanais de mindfulness (meditação). Como está na grade de disciplinas, a avaliação é a mesma aplicada para conteúdos como Matemática e Português: nota - de 0 a 10 - e, se não atingir os objetivos, o aluno faz trabalho extra.

Parte da nota vem da autoavaliação feita pelos alunos e a outra parte do resultado, de exercícios e trabalhos que têm de entregar sobre a atividade. "O papel (da avaliação) é menos atribuir um número, mas dizer se o aluno ainda tem coisas que não captou para que possamos trabalhar", afirma Daniela Degani, professora do Santi.

Em uma linha diferente, a Escola Lumiar, na região central, cria uma espécie de diário de bordo para os estudantes - que serve tanto para as disciplinas tradicionais como para habilidades socioemocionais. Como o colégio não atribui notas, usa até desenhos e gravações como amostras de que o estudante se desenvolveu em uma área.

"Se a professora faz jogos, pode gravar os alunos nessas interações. Se há a proposta de escrever um bilhete para o colega, ela pode selecionar isso como evidência", diz a diretora pedagógica, Fabia Apolinário. O colégio trabalha, entre outros pontos, com a expressão de emoções e responsabilidades. O aluno tem acesso às avaliações em uma plataforma digital e pode agregar os próprios registros. "Tão importante quanto saber escrever ou fazer contas, é desenvolver essas habilidades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários