+

Publicidade

Curadoria Hilst

Pílula Poética de Hilda Hilst nº 121 - Cantares do sem-nome e de partidas

A estudante de Letras, Língua Portuguesa e Literaturas, Fernanda Mendonça, interpreta poema da série "Cantares do sem-nome e de partidas"

| ACidade ON -

Pedimos para a comunidade de apaixonados pela Hilda registrarem leituras de seus poemas. Envie também seus vídeos lendo Hilda!

Nesta edição das #PílulasPoéticas, a estudante de Letras, Língua Portuguesa e Literaturas, Fernanda Mendonça, interpreta poema da série "Cantares do sem-nome e de partidas", publicado em 1995 - o último livro de poesia de Hilda Hilst.

"Que este amor não me cegue nem me siga.
E de mim mesma nunca se aperceba.
Que me exclua do estar sendo perseguida
E do tormento
De só por ele me saber estar sendo.
Que o olhar não se perca nas tulipas
Pois formas tão perfeitas de beleza
Vêm do fulgor das trevas.
E o meu Senhor habita o rutilante escuro
De um suposto de heras em alto muro.
Que este amor só me faça descontente
E farta de fadigas. E de fragilidades tantas
Eu me faça pequena. E diminuta e tenra
Como só soem ser aranhas e formigas.
Que este amor só me veja de partida."

Mais notícias


Publicidade