ACidadeON

Economia

64,3 mil empresas e outras organizações fecharam as portas em 2016, diz IBGE

IBGE Cempre 2016

| Estadao Conteudo

No ano de 2016, em meio à recessão econômica, o País registrou fechamento de 64,3 mil empresas e outras organizações ativas, o equivalente a uma redução de 1,3% em relação a 2015. O número de sócios e proprietários, que já tinha caído entre 2014 e 2015, encolheu também 1,3%, 93 mil pessoas a menos. Os dados são do Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016, divulgado nesta quarta-feira, 27, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2016, havia 5,1 milhões de empresas e outras organizações ativas no Brasil, com 5,5 milhões de unidades locais e 51,4 milhões de trabalhadores ocupados. Entre os ocupados, 44,5 milhões eram assalariados, que receberam R$ 1,6 trilhão em salários e outras remunerações naquele ano.

Na passagem de 2015 para 2016, o salário médio mensal registrou um aumento de 0,7%, já descontada a inflação, passando de R$ 2.643,56 para R$ 2.661,18 no período.

Considerando a massa de salários e outras remunerações, houve redução de 3,0%. As entidades empresariais pagaram 62,1% da massa de rendimentos em 2016, mas tinham os salários médios mensais mais baixos, R$ 2.327,57.

Os órgãos da administração pública possuíam os salários médios mensais mais elevados, R$ 3.779,43, seguidos das entidades sem fins lucrativos, com R$ 2.535,75.

Entre os ramos de atividades, os salários médios mais baixos foram pagos por alojamento e alimentação (R$ 1.363,30), atividades administrativas e serviços complementares (R$ 1.652,44) e comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (R$ 1.753,80). Os três segmentos concentraram 33,3% de todo o pessoal ocupado assalariado.

Os maiores salários médios mensais foram pagos por eletricidade e gás (R$ 7.263,19), atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (R$ 5.916,33) e organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais (R$ 5.033,15). As três atividades absorveram somente 2,5% do pessoal ocupado assalariado.

Na passagem de 2015 para 2016, houve redução de 4,0% no total de trabalhadores ocupados nas empresas e outras organizações ativas do País, o equivalente à dispensa de 2,1 milhões de pessoas. O resultado foi puxado pelo recuo de 4,4% no trabalho assalariado, menos 2 milhões de empregados.

Em 2016, o Sudeste detinha 2,8 milhões (50,7%) das unidades locais, 50,0% dos ocupados (25,7 milhões), 49,7% dos assalariados (22,1 milhões) e R$ 858,9 bilhões (53,3%) das remunerações.

Na média nacional, os homens recebiam, em média, R$ 2.895,56, 22,2% a mais do que as mulheres, R$ 2.368,98. Houve crescimento de 1,6% no total de trabalhadores com nível superior, mas eles ainda eram apenas 21,7% dos ocupados naquele ano.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários