Aguarde...

ACidadeON

Economia

Nomeação de Castello Branco à presidência da Petrobras agrada ao mercado

| FOLHAPRESS

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A confirmação do economista Roberto Castello Branco como novo presidente da Petrobras no governo eleito de Jair Bolsonaro (PSL) foi bem recebida pelo mercado nesta segunda-feira (19). Defensor da privatização de estatais, executivo já fez parte do conselho de administração da empresa em 2015. Com pós-doutorado pela Universidade de Chicago, ele já foi diretor do Banco Central e da Vale e, hoje, é professor da FGV (Fundação Getulio Vargas)."É muito respeitado pelo mercado. Conhecido por ser extremamente competente, muito trabalhador, exigente, ético, sério, humilde no trato das pessoas e admirado por essas qualidades. O nome cai bastante bem para os investidores", avalia Pablo Spyer, da corretora Mirae. A expectativa é que Castello Branco dê continuidade ao plano de desinvestimentos da estatal e à política de preços dos combustíveis acompanhando a paridade internacional, segundo Adriano Pires, diretor do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura). "Excelente indicação. Primeiro porque mostra que a meritocracia prevaleceu, já que não foi escolha política", disse. "O Ivan [Monteiro, atual presidente da estatal] foi atropelado pela greve dos caminhoneiros e pela liminar do STF [Supremo Tribunal Federal] que suspendeu a venda de ativos. Com Roberto, espero retomada do programa de venda, de maneira mais consistente, e foco no downstream, com a negociação de dutos, refinarias e até da BR Distribuidora", afirmou Pires. Castello Branco chegou ao conselho da Petrobras em 2015 por indicação do ex-presidente da mineradora, Murilo Ferreira, que havia sido nomeado por Dilma Rousseff (PT) para presidir o conselho da petroleira estatal. Deixou a empresa com críticas ao ritmo das mudanças na gestão da estatal, que vivia momento agudo da crise pós-Lava Jato. Considerava na época que de reestruturação interna e de venda de ativos eram tímidos.Em artigo publicado na Folha de S.Paulo em julho, após a criação do programa de subvenção ao diesel, em meio à críticas à concessão de subsídios ao preço dos combustíveis, defendeu a privatização da Petrobras.  "É inaceitável manter centenas de bilhões de dólares alocados a empresas estatais em atividades que podem ser desempenhadas pela iniciativa privada, enquanto o Estado não tem dinheiro para cumprir obrigações básicas, como saúde, educação e segurança pública", escreveu.No fim de outubro, a Folha de S.Paulo informou que Castello Branco era o mais cotado para assumir a presidência da Petrobras.A definição do nome chegou a gerar disputa entre autoridades do futuro governo. Enquanto Guedes defendia a indicação de Castello Branco, o vice-presidente eleito, General Hamilton Mourão (PRTB), demonstrava preferência por um nome da área militar no comando da estatal.Castello Branco é amigo de Paulo Guedes desde a década de 1980, quando Guedes presidiu o Ibmec, rede ensino que ele fundou.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários