Aguarde...

ACidadeON

Economia

Desvinculação do Orçamento não vai esperar Previdência, diz Guedes a jornal

| FOLHAPRESS

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governo não vai aguardar o encerramento da tramitação da reforma da Previdência para enviar ao Congresso proposta que prevê ampla desvinculação do Orçamento, afirmou o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo.Ao argumentar que a situação financeira dos estados exige que o tema seja tratado com urgência, Guedes disse que a PEC (Proposta de Emenda a Constituição) será entregue para tramitação inicial no Senado.  A proposta de reforma na Previdência, por sua vez, terá análise iniciada na Câmara.De acordo com o ministro da Economia, o governo apresentará o projeto ao Congresso "o mais rápido possível".Antes mesmo da eleição do presidente Jair Bolsonaro, reportagem da Folha de S.Paulo mostrou que a equipe de Guedes trabalhava na elaboração da proposta que promoverá uma desvinculação total do orçamento, com a descentralização dos recursos, o que beneficiaria estados e municípios.Em discurso de posse, em janeiro, Guedes chegou a tratar a ideia como um plano B para o caso de não aprovação da reforma da Previdência.Na entrevista ao jornal, publicada neste domingo (10), entretanto, ele afirmou que o texto ganhou vida própria diante do rombo nas contas dos estados e municípios."São dois projetos grandes e importantes. Um entrando pelo Senado, outro pela Câmara. Eu até achava que a gente iria segurar um pouco para fazer uma coisa de cada vez. Só que a situação político-financeira de Estados e municípios está pedindo isso já", disse.Segundo ele, a medida fará com que despesas deixem de ser obrigatórias e, com isso, os políticos assumirão protagonismo e terão controle de 100% do Orçamento.Na entrevista, Guedes ainda afirmou que o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) tem de devolver aos cofres do Tesouro Nacional R$ 126 bilhões neste ano. "Não sei se ele quer, mas vai ter de devolver". Sobre o rombo fiscal do governo federal, o ministro disse que vai "tentar o impossível" para zerar o déficit ainda neste ano. A meta prevista para 2019 é de um resultado negativo de R$ 139 bilhões.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários