Aguarde...

Economia

Centrais sindicais fazem ato por auxílio emergencial de R$ 600 em SP

| FOLHAPRESS

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As principais centrais sindicais reuniram-se nesta terça-feira (3) em São Paulo para pedir a manutenção do auxílio emergencial em R$ 600 e defender a derrubada do veto do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) da prorrogação da desoneração da folha de pagamento de 17 categorias.A partir das 11h, lideranças como UGT, CUT, CSB e Força Sindical fizeram manifestação em frente à sede do escritório da Presidência da República, na avenida Paulista (zona central).O auxílio emergencial, iniciativa de enfrentamento à crise econômica gerada pelo coronavírus, começou a ser pago em abril a grupos como trabalhadores informais e beneficiários do Bolsa Família. As cinco parcelas iniciais foram de R$ 600, mas do sexto ao nono pagamento o valor foi reduzido a R$ 300.No caso de mães chefes de família, manteve-se o direito à cota dupla (antes de R$ 1.200 e, agora, de R$ 600).Quanto à desoneração da folha, os sindicatos defendem que, caso o veto não seja derrubado, cerca de 1,5 milhão de trabalhadores de 17 categorias de serviços poderão ser demitidos nas próximas semanas.Bolsonaro vetou em julho o dispositivo que prorrogava até ano que vem a desoneração da folha de setores como comunicação, tecnologia da informação, transporte, construção civil, têxtil, entre outros.A desoneração da folha, adotada no governo petista, permite que empresas possam contribuir com um percentual que varia de 1% a 4,5% sobre o faturamento bruto, em vez de 20% sobre a remuneração dos funcionários para a Previdência Social (contribuição patronal). Isso representa uma diminuição no custo de contratação de mão de obra.Atualmente, a medida beneficia segmentos como call center, calçados, confecção e vestuário, construção civil, obras de infraestrutura, tecnologia da informação, comunicação, transporte rodoviário de cargas e coletivo de passageiros, máquinas e equipamentos e fabricação de veículos. O incentivo está previsto para terminar em 31 de dezembro de 2020.


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON