ACidadeON

Economia

Grau de repasse cambial à inflação não é sempre uma constante, diz diretor do BC

BC RTI Carlos Viana de Carvalho entrevista

| Estadao Conteudo

O diretor de Política Econômica, Carlos Viana de Carvalho, afirmou nesta quinta-feira, 28, durante a entrevista coletiva sobre o Relatório Trimestral de Inflação (RTI), que o grau de repasse cambial para a inflação "não é sempre uma constante". "Ninguém deve se surpreender se um número diferir em relação a outro, dependendo da conjuntura", disse Viana, em relação aos cálculos quanto ao repasse.

Questionado a respeito dos efeitos da greve dos caminhoneiros sobre a atividade, Viana disse que ainda não há dados sobre isso. "A ideia é que o efeito principal seja temporário, de baixa para a atividade e de alta para a inflação", disse Viana.

Segundo ele, isso tende a ser percebido no mês de junho. A partir do mês seguinte, a tendência é de efeitos menores.

Déficit externo

O diretor de Política Econômica do Banco Central explicou que a forte redução da previsão de déficit externo em 2018 é explicada pelo dólar e a atividade econômica. "A redução da estimativa de déficit em transações correntes reflete dinâmicas recentes de câmbio e atividade", disse.

A projeção oficial do BC para o déficit em transações correntes neste ano caiu de US$ 23,3 bilhões - estimativa feita em março - para US$ 11,5 bilhões. A queda é de 50%.

Entre os itens que explicam essa melhora, a expectativa de superávit da balança comercial ficou mais favorável ao Brasil e passou de US$ 56 bilhões para US$ 61 bilhões. Ao mesmo tempo, a previsão de rombo na conta de serviços caiu de US$ 38,1 bilhões para US$ 35,6 bilhões, sendo que o déficit das viagens internacionais diminuiu de US$ 17,3 bilhões para US$ 15 bilhões no ano.

Por outro lado, a previsão de entrada de Investimento Direto no País (IDP) caiu de US$ 80 bilhões para US$ 70 bilhões - uma redução de 12,5%. Apesar da queda, o diretor do BC preferiu ressaltar que a nova cifra ainda representa 3,6% do PIB. O valor, segundo Viana, propicia "financiamento das transações correntes de forma confortável".

Atividade

Carlos Viana de Carvalho afirmou que o primeiro trimestre do ano foi marcado por um crescimento da economia um pouco mais lento que o imaginado.

Em função disso, conforme Viana, o BC decidiu revisar suas expectativas de crescimento para baixo. No RTI divulgado nesta quinta, o BC passou a projetar um crescimento de 1,6% para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2018. Até então, a projeção era de crescimento de 2,6%.

Viana citou ainda que o RTI desta quinta ainda não trouxe as projeções de inflação do BC para o ano de 2021. Isso porque o documento foi fechado antes da reunião da última terça-feira do Conselho Monetário Nacional (CMN), que definiu a meta de inflação de 3,75% para 2021, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual.

Conforme Viana, o RTI de setembro já trará as projeções para o horizonte relevante mais amplo, que inclui 2021.

Escolha da meta

O diretor de Política Econômica do Banco Central afirmou que a escolha da meta de inflação de 2021 não tem implicação para a condução da política monetária atual. Na última terça-feira, o CMN estabeleceu a meta de 3,75% para 2021, com margem de 1,5 ponto porcentual (inflação entre 2,25% e 5,25%). O ano de 2021, no entanto, ainda não foi incorporado no horizonte relevante tratado no RTI desta quinta, já que o documento já estava finalizado. As projeções referentes ao ano de 2021 serão incorporadas no RTI de setembro.

"A ideia deste horizonte mais longo para fixação de metas pelo CMN é permitir a escolha sem que haja relação com o curto prazo", explicou Viana.

PIB

Viana afirmou ainda que a revisão promovida pelo BC na projeção do PIB de 2018, de alta de 2,6% para avanço de 1,6%, tem a ver, em parte, com os resultados da atividade no primeiro trimestre deste ano. "O PIB no primeiro trimestre ficou aquém do que se vislumbrava", pontuou.

Comentários

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários