ACidadeON

Economia

Guardia diz que agronegócio é a cara do Brasil que dá certo

plano safra BB Guardia

| Estadao Conteudo

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, destacou nesta quarta-feira, 4, a importância do agronegócio para o País, qualificado por ele como "a cara do Brasil que dá certo e traz benefícios para população". "Os produtores são lutadores, que acreditam no País, que investem seu dinheiro", disse Guardia. "O sucesso do setor agrícola também é fruto das instituições financeiras. E temos que reconhecer o trabalho desempenhado pelo Banco do Brasil."

O ministro salientou o esforço do governo do presidente Michel Temer em promover as reformas na área econômica. Segundo ele, as reformas colocaram o País em trajetória de crescimento, com baixa inflação. "O governo fez sua parte, avançou nas reformas", disse Guardia. "É isso que vai assegurar as condições de crescimento sustentável daqui para frente", acrescentou.

Guardia citou o aumento superior a 20% dos recursos disponibilizados pelo Banco do Brasil para a safra de 2018/2019 e lembrou que a instituição nunca contou com aporte de recursos do Tesouro para isso. "O Banco do Brasil é um exemplo de sucesso no agronegócio", garantiu.

O ministro da Fazenda afirmou ainda que, além do aumento no volume de recursos disponibilizados aos produtores rurais, o governo procurou simplificar e reduzir custo das operações no campo. "Fizemos redução de encargos financeiros", afirmou o ministro, citando ainda a possibilidade de o produtor rural, a partir desta safra 2018/19, ter acesso a taxas de juros pós-fixadas. "Quando capta recursos a taxas pós-fixadas, você fica sócio do governo na redução da inflação", explicou.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, o presidente Michel Temer, e o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, participam nesta quarta-feira do evento de lançamento do Plano Safra do Banco do Brasil para 2018/2019. No início de junho, o governo federal já havia anunciado o total do Plano Safra, que engloba todas as instituições financeiras, com crédito de R$ 194,37 bilhões.

Veja também