ACidadeON

Economia

IPC de julho deve arrefecer para 0,42%, prevê Fipe

IPC-Fipe junho projeções

| Estadao Conteudo

Os preços administrados devem impedir que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) tenha maior alívio em julho, conforme o gerente técnico de pesquisa Moacir Yabiku. Segundo ele, a exemplo do que já sinalizaram alguns itens no fechamento de junho, este mês deve ser beneficiado pela normalização do choque desfavorável causado principalmente na oferta de alimentos e combustíveis devido à greve dos caminhoneiros.

A projeção da Fipe para o IPC deste mês é de 0,42% (depois de 1,01% em junho) dos quais 0,30 ponto porcentual serão efeito de altas previstas para água, que deve ir de 0,22% para 2,25%, e energia, que deve aumentar de 1,99% para 7,41%, no período. Isso porque a Sabesp teve reajuste autorizado de 3,507% válido a partir de 10 de junho, enquanto a Eletropaulo terá aumento de 15,84% a partir do dia 4 de julho, conforme anunciado nesta terça-feira.

Inclusive, a Fipe alterou a previsão deste mês de 0,36% para 0,42% depois do anúncio da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Segundo os cálculos da instituição, o impacto do reajuste sobre o índice será de 0,43 ponto, divididos entre julho e agosto.

Além disso, no sétimo mês, a conta de luz deve ficar pressionada em função da adoção em junho da bandeira vermelha 2. Todos esses aumentos administrados só são captados pela Fipe quando a fatura chega na residência do consumidor, por isso o efeito não é imediato.

Assim, Habitação deve subir de 0,14% no fechamento do sexto mês para 1,03% no fim deste mês, conforme estimativa da Fipe, que, se confirmada, será a maior taxa para o grupo em julho desde 2015 (1,33%).

Por outro lado, Alimentação e Transportes que renovaram recordes históricos em junho devem mostrar boa desaceleração neste mês, devolvendo parte da alta provocada pela greve dos caminhoneiros, assim como no IPC (1,01%), que atingiu o maior resultado desde janeiro de 2016 (1,37%) e para o mês desde 1997 (1,47%). Em março, o indicador subira 0,41%.

Alimentação teve a maior taxa desde maio de 2008 (3,17%) ao avançar de 0,62% no quinto mês para 3,14% em junho. Para o sexto mês, só foi menor que a variação apurada em 1994 (53,69%). Já Transportes subiu de 0,59% para 1,01%, o maior patamar para junho desde 2004 (2,09%). O Índice de Difusão aumentou de 55,51% para 61,34%.

Mas os dois grupos já apresentaram alívio ante a terceira quadrissemana do mês passado, quando registraram aumento de 3,26% e 1,58%, respectivamente. Em julho, devem seguir desacelerando, Alimentação, para 0,33% e Transportes, para 0,02%, nesta ordem.

No caso dos alimentos, a desaceleração foi liderada pela queda em produtos in natura (3,81% para -1,28%). A batata, por exemplo, que chegou a subir 36,82% na segunda quadrissemana, terminou o mês em 5,25% (de 31,84%) e deve cair nas próximas divulgações conforme indica a ponta (pesquisas mais recentes), que está negativa em 32%.

Segundo Yabiku, esses produtos foram os primeiros a sentir os efeitos do choque de oferta provocado pelo bloqueio das estradas, seguido dos semielaborados, como as carnes, e os industrializados, que só agora começam a captar esse impacto.

Dentro dos semielaborados (7,99% para 9,93%), o frango (16,45% para 20,30%), uma das cadeias mais afetadas pela greve, já indica normalização à frente, conforme a ponta mais baixa, de 20,19%. "Já há sinais de que vai haver uma normalização. Essa é a boa notícia", diz Yabiku.

Já o leite longa vida passou de 15,18% para 19,28%, mas ainda deve continuar acelerando, já que as pesquisas mais recentes apontam alta de 20,38%, já que além do efeito da greve há também uma produção menor este ano.

Em Transportes, a gasolina desacelerou de 7,57% para 4,32% da terceira para quarta quadrissemana de junho, enquanto o arrefecimento em etanol foi de 6,02% para 5,25%. As pontas indicam quedas de 3,54% e 0,80%, respectivamente. Por isso, a relação entre os preços de preços entre etanol e gasolina subiu de 63,74% para 64,02%. Entre maio e junho, houve redução de 64,49% para 64,21%.

2018

Mesmo com os efeitos da greve dos caminhoneiros e considerando impactos pontuais da desvalorização cambial, a Fipe decidiu manter a projeção para 2018 em 3,15%. "Antes, esperávamos rever para baixo essa projeção, mas agora os níveis serão um pouco mais altos no segundo semestre. Então é prudente manter 3,15%."

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários