Aguarde...

ACidadeON

Esportes

Nas Eliminatórias, seleção de basquete pega Venezuela na estreia de Scott Machado

basquete Mundial Eliminatórias Brasil Scott Machado

| Estadao Conteudo

Mesmo tendo nascido no bairro do Queens, em Nova York, nos Estados Unidos, Michael Scott Machado sempre sonhou em defender o Brasil. Depois de desperdiçar uma chance dada pelo técnico argentino Rubén Magnano em 2013, quando fez apenas um amistoso e acabou cortado do grupo que disputaria a Copa América daquele ano, finalmente o armador, filho de pais brasileiros, fará a sua estreia oficial com a camisa da seleção nesta sexta-feira contra a Venezuela, às 20 horas (de Brasília), quando a equipe comandada pelo croata Aleksandar Petrovic defenderá a liderança do Grupo B no ginásio Papá Carrillo, em Caracas.

Mas para estar em quadra na primeira partida da terceira janela das Eliminatórias Americanas para o Mundial de 2019, Scott Machado teve de tomar uma decisão bastante difícil. Desejado pelo Milwaukee Bucks, o armador, que disputou a última temporada pelo South Bay Lakers, representante do Los Angeles Lakers na G-League, espécie de Liga de Desenvolvimento da NBA, precisou abrir mão da Summer League para enfrentar Venezuela e Colômbia, segundo adversário do Brasil, nesta segunda-feira, em Medellín.

Mesmo tendo colocado um possível retorno à NBA em risco, Scott Machado contou com o apoio de toda a família e não se arrepende da decisão. "Falei com minha mãe, meus irmãos e todo mundo ficou muito feliz por eu ter tomado a decisão de ficar aqui e jogar esses dois jogos pelo Brasil. O pessoal do Milwaukee queria que eu chegasse lá dia 24 para fazer um mini camp, que acontece antes da Summer League, mas eu decidi ficar e jogar pelo Brasil. Já joguei a Summer League cinco anos e sabia que essa seria minha última chance aqui se optasse em voltar para os Estados Unidos. Sempre quis jogar pelo Brasil e não me arrependo. Se as coisas tiverem que dar certo na NBA, elas darão quando eu voltar", afirmou o armador de 28 anos.

Sobre a tão sonhada estreia, Scott Machado não esconde a ansiedade, mas afirma que os anos de experiência no basquete serviram para minimizar o nervosismo de uma partida tão importante. "Estou um pouco ansioso sim, mas hoje consigo controlar o nervosismo e estou bem mais tranquilo em poder representar o Brasil. Estou com muita energia para poder ajudar esses caras que jogam demais e fazer o meu papel. Finalmente vou poder fazer minha estreia pelo meu país e os brasileiros vão poder me ver jogar", comemorou.

Independentemente de começar ou não jogando, Scott Machado agradece a confiança que recebeu de Aleksandar Petrovic durante a semana de treinamentos em Campinas (SP) e espera uma Venezuela muito perigosa jogando em casa. "Eu fui para a 'high school' com Echenique. É um grande jogador e esperamos um jogo muito difícil. Sabemos disso. O Petrovic me ajudou bastante nesse processo de adaptação ao basquete brasileiro, assim como os jogadores. Ele não me falou se eu serei titular, só me disse para ficar tranquilo, jogar o meu jogo e entrar em quadra com a mesma confiança que demonstrei durante a última temporada. Temos um time muito forte, com ótimos jogadores em cada posição e que continua crescendo. Estou com vontade de jogar logo, uma pressa de entrar em quadra e fazer minha estreia para tirar um peso das minhas costas", disse.

Sincero em reconhecer que não foi bem em 2013 quando foi chamado por Rubén Magnano, Scott Machado desta vez agarrou com as duas mãos a oportunidade dada por Aleksandar Petrovic. Ausente nas duas primeiras janelas das classificatórias, o armador definitivamente conquistou a confiança do treinador croata e entrou de vez na briga por uma vaga no Mundial da China.

"Ele treinou muito bem nos primeiros cinco, seis dias em Campinas e foi uma grata surpresa para nós. Tenho certeza de que estará em ótimas condições para fazer jogar duas grandes partidas e nos ajudar a conquistar mais duas vitórias", afirmou Aleksandar Petrovic.

Veja também