ACidadeON

Esportes

'Não parei de jogar porque ainda tem muito jogador ruim', diz Douglas, do Grêmio

futebol Grêmio Douglas

| Estadao Conteudo

Jogador de características raras no futebol brasileiro, o meia Douglas, do Grêmio, também se comporta de maneira diferente nas entrevistas. Recuperado de lesão que o tirou dos gramados por quase um ano e meio, o camisa 10 revelou em entrevista coletiva nesta segunda-feira que pensou em parar de jogar, mas voltou atrás em razão da baixa qualidade técnica dos jogadores no Brasil.

"Após a segunda cirurgia (no joelho esquerdo), chegou o momento que pensei, sim. Mas foi muito breve. A vontade de jogar era maior ainda e acabei superando isso rapidamente" afirmou o meia, para dizer no final da entrevista o motivo que o fez reconsiderar a decisão. "Na realidade é que ainda tem muito jogador ruim [no mercado]. Não tinha por que eu parar agora", disse.

A última partida oficial de Douglas pelo Grêmio foi em fevereiro de 2017, pelo Campeonato Gaúcho. Pouco depois, ele rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo em uma treinamento e foi operado. Quando estava prestes a voltar, ainda no ano passado, teve um problema no ligamento e foi obrigado a passar por outra cirurgia.

Totalmente recuperado da lesão, o meia afirmou que está muito bem fisicamente, mas que ainda precisa readquirir o ritmo de jogo. Ele esteve em campo três vezes neste período sem jogos oficiais devido à disputa da Copa do Mundo da Rússia. Enfrentou Chapecoense e Santos, pelo Campeonato Brasileiro de Aspirantes, e entrou no segundo tempo no amistoso do último domingo, contra o Corinthians.

"Estou 100%, é só readquirir o ritmo de jogo e dar sequência. Fisicamente me sinto muito bem. Problema maior é o ritmo de jogo e o funcionamento durante a partida", disse o meia.

Ele rechaçou o comentário do técnico Renato Gaúcho, que havia dito após o jogo contra o Corinthians que o meia se reapresentou 14 quilos acima do peso na volta aos treinamentos e que ainda precisava perder dois ou três quilos para estar no peso ideal.

"Estou no peso. O Renato pega no meu pé sempre. Eu estando gordo ou magro, ele pega no meu pé. Sempre vai falar. Durante os treinos é uma coisa, mas no jogo é completamente diferente. No começo da partida com a Chapecoense, eu fiquei um pouco perdido até em campo. Mas passou, em cinco minutos já acostumei", garantiu.

Sobre o estilo de jogo do Grêmio, Douglas, acostumado a dar cadência ao time e assistência aos seus companheiros, entende que não houve muitas mudanças desde que ele se lesionou e, por isso, não terá problemas para se reintegrar à equipe.

"Não mudamos muita coisa, não. Continuamos com o toque de bola, da mesma forma que a gente vinha jogando, então não vejo muita diferença, não. Se eu entrar, vou estar bem porque acho que não mudou muita coisa".

Comentários

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários