Publicidade

Gravidez e bebê

Exames importantes do segundo trimestre

Um dos exames repetidos no segundo trimestre, o ultrassom morfológico detecta malformações no bebê. Veja outros testes que você terá de fazer.

| ACidade ON -

Você já passou por uma etapa importante da gravidez e realizou o temido ultrassom morfológico. Mas, agora, ao entrar no segundo trimestre, terá de refazer este e outros exames. Além dele, outros testes são pedidos pelo médico para saber se está tudo bem com você e o bebê. Confira o que vem pela frente! 



Ultrassom morfológico (USG)
 


É feito quando a grávida está de 18 a 24 semanas e, como o primeiro, analisa as estruturas do bebê. Desta vez, porém, não mede a translucência nucal (o acúmulo de líquido na nuca do feto). Em vez disso, como o bebê está maior, tem maior capacidade de analisar o coração (as quatro câmaras), a cabeça, a coluna, o rosto (se tem ou não lábio leporino), os braços e as pernas, o tamanho dos ossos e os órgãos internos, como estômago e rins. Caso você ainda não tenha descoberto o sexo do bebê, será difícil não ver - mas você ainda pode ser que o bebê esteja em uma posição que esconda os genitais. 

 


Se tudo estiver normal nesses exames realizados tanto no primeiro como no segundo trimestre, é muito raro que a criança nasça com alguma síndrome ou malformação. Porém, se algo estiver fora do padrão, outros testes são pedidos para confirmar o problema. No morfológico, o médico também checa como está a placenta, o volume de líquido amniótico, o cordão umbilical e as artérias uterinas.
Glicemia e glicose (TOTG) 

 


A coleta de sangue que avalia a glicemia de jejum é outro dos exames que devem ser refeitos no segundo trimestre, por volta da 24a semana. Assim como o teste oral de tolerância à glicose (TOTG), no qual a gestante bebe glicose para descobrir se tem diabetes gestacional. Neste caso, o sangue é coletado a cada meia hora para avaliação da curva glicêmica. 

 


Ecocardiograma fetal 


Também conhecido por ecofetal, é um ultrassom específico para observar as estruturas do coração e se ele está funcionando como esperado. Em geral, este é um dos exames que costuma ser pedido no segundo trimestre se houver alguma suspeita de problema, se não foi possível observar o funcionamento do coração a contento no morfológico, se a gestação é de risco ou se há histórico de doenças congênitas. Porém, a Sociedade Brasileira de Cardiologia recomenda que ele seja inserido no pré-natal de todas as grávidas. Pode ser feito a partir da 20a semana. 

 


Exames específicos
 


Em caso de necessidade ou risco aumentado, o obstetra pode solicitar: 

  • Amniocintese: dependendo da idade da mãe ou se houver suspeita de risco, pode ser pedido a partir da 15a semana. Com uma agulha, retira-se o líquido amniótico para detectar anomalias ou síndromes cromossômicas, como Down. 
  • Biópsia de vilo corial: retira-se um fragmento da placenta para descobrir se há malformações genéticas. Feito a partir da 12a semana. 
  • Cardiotocografia: registra a frequência cardíaca do feto e das contrações uterinas, para saber se o bebê está bem. 
  • Dopplervelocimetria fetal: mede a velocidade do fluxo sanguíneo na placenta.
     


Quer saber mais? Assine a newsletter de BabyHome e receba toda semana mais dicas sobre como o seu bebê está se desenvolvendo. É rápido e grátis.

Mais notícias


Publicidade