Aguarde...

ACidadeON

Lazer e Cultura

Clóvis Rossi, decano da Redação da Folha, morre aos 76 anos

Jornalista se recuperava de um infarto que havia sofrido na semana passada; ele faleceu em sua casa, em São Paulo

| FOLHAPRESS

Clóvis Rossi tinha 76 anos (Foto: Reprodução)
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O jornalista Clóvis Rossi, decano da Redação da Folha de S.Paulo, morreu na madrugada desta sexta-feira (14) em São Paulo. 

Ele tinha 76 anos e estava em casa, onde se recuperava de infarto tido na semana passada. Deixa mulher, com quem estava havia mais de meio século, três filhos e três netos. 

Colunista e membro do Conselho Editorial da Folha de S.Paulo, Rossi publicou seu último texto na quarta-feira (12).  

Intitulado "Boletim Médico". Ele era, segundo o jornalista, "uma satisfação devida ao leitor, se é que há algum". Seu estilo irônico e descontraído continuava no agradecimento aos colegas do jornal. "Até mentiram dizendo que estavam sentindo a minha falta", escreveu. 

Nascido em 25 de janeiro de 1943 no bairro do Bexiga, em São Paulo, filho de seu Olavo, vendedor de máquinas pesadas, e dona Olga, artesã de grinaldas e buquês de flores, ele se formou em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero.Rossi começou no jornalismo em 1963.  

Trabalhou nos jornais Correio da Manhã, O Estado de S. Paulo e Jornal do Brasil. Teve ainda passagens pelas revistas Isto É e Autoesporte e pelo Jornal da República e manteve blog no espanhol El País. Estava desde 1980 na Folha de S.Paulo. 

Ganhou vários prêmios jornalísticos, entre eles o Maria Moors Cabot, da Universidade de Columbia, e o da Fundação Nuevo Periodismo Ibero-Americano, criada por Gabriel García Márquez.Escreveu os livros "Clóvis Rossi, Enviado Especial, 25 Anos ao Redor do Mundo" e "O que é Jornalismo". 

Fez coberturas de eventos históricos, viagens de vários presidentes brasileiros, Copas do Mundo e Olimpíada. Foi correspondente da Folha de S.Paulo em Buenos Aires e Madri. Era presença frequente no Fórum Mundial de Davos.Gostava de enfatizar sua preferência pela reportagem e não pela edição. Tinha especial orgulho da cobertura que fez sobre o fim do regime franquista espanhol.  

"Raramente gosto do que faço. Sempre acho que a próxima reportagem vai ser melhor. Exceto nessa cobertura", afirmou na Flip em 2014."A Folha e o jornalismo brasileiro perdem um de seus principais e mais premiados repórteres, certamente o mais experiente. Clóvis era admirado por gerações de profissionais por sua independência de pensamento, disposição e rapidez de trabalho e qualidade de cobertura. Vai fazer muita falta", afirmou o diretor de Redação da Folha de S.Paulo, Sérgio Dávila. 

Rossi torcia para o Palmeiras e para o Barcelona e dizia ter um sonho não realizado no jornalismo: ser setorista da Liga dos Campeões da Europa.O velório e o enterro ocorrerão no Cemitério Gethsêmani, em São Paulo. O início do velório será às 15h e o enterro será no sábado, às 11h.Em 2015, o Congresso da Abraji homenageou o jornalista. Assista ao vídeo: http://mais.uol.com.br/view/15525710.   

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
0 comentários

Mais do ACidade ON