Aguarde...

Lazer e Cultura

Após polêmica, mãe de Bel diz que conteúdo de canal é controlado

Os vídeos, que mostram cenas cotidianas e brincadeiras entre a mãe e suas duas filhas, são produzidos há oito anos e são expostos em canais como Bel, que a família mantém no YouTube com mais de 7 milhões de inscritos

| ACidade ON

Reprodução Instagram
 

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O canal da adolescente Isabel Magdalena, de 13 anos, no YouTube e suas redes sociais, viraram alvo de internautas nos últimos dias, motivando críticas e hashtags. Isso porque, na opinião de alguns deles, mostrariam maus-tratos da mãe, Francinete Magdalena, em relação à filha Bel, como é conhecida a youtuber. 

Os vídeos, que mostram cenas cotidianas e brincadeiras entre a mãe e suas duas filhas, são produzidos há oito anos, segundo os próprios pais das meninas, e são expostos em canais como Bel, que a família mantém no YouTube com mais de 7 milhões de inscritos e em uma página no Instagram, onde tem 1,3 milhão de seguidores. 

Apesar da popularidade, alguns internautas apontam como de mau gosto ou até sinal de maus-tratos algumas dessas imagens, como quebrar um ovo na cabeça de filha, fazê-la comer uma espécie de milkshake com ingredientes ruins, que chegam a fazê-la vomitar ou mesmo falar para a menina que ela é adotada. 

Em alguns desses vídeos, a mãe, identificada como Fran e que começou no YouTube com a página Fran Para Meninas, afirma que faz as brincadeiras seguindo sugestões de outros internautas e ri da reação inesperada da garota, que chegou a ser protagonista do canal Bel Para Meninas e agora do canal Bel. 

Com as críticas, alguns internautas criaram hashtags, como #salvembelparameninas e #salvembelenina, que têm entrado nos assuntos mais comentados do Twitter nos últimos dias. Alguns internautas chegaram a recuperar até mesmo um post do humorista Victor Sarro denunciando o canal, já em 2016. 

"Na minha casa é proibido há muito tempo, já venho denunciando há muito tempo. Pena que as pessoas não me levem tão a sério como influenciador e investiguem as coisas que eu denuncio. É um absurdo. Todo mundo tem obrigação e o dever de denunciar", afirmou Sarro em suas redes sociais nesta terça (19). 

Na mesma época em que o humorista fez a denúncia nas redes sociais, o canal mantido por Fran e suas filhas chegou a ser alvo de investigação, mas apenas por possível "merchandising ou promoção de produtos e serviços protagonizados por crianças ou a elas dirigida", aponta o Ministério Público Federal, que abriu o inquérito. 

Segundo o órgão, uma ação civil pública foi ajuizada em setembro de 2016 contra a União, através do Conanda, e o Google pela violação das regras que proíbem esse tipo de publicidade em seus canais. A 10ª Vara Federal, porém, negou o pedido da ação, e o Ministério Público Federal aguarda pedido de recurso. 

A reportagem tentou contato com Fran, que respondeu com uma nota, em que afirma que possui uma série de canais em redes sociais, que somam cerca de 14 milhões de seguidores, e que continuará expondo seus conteúdos por essas plataformas como sempre fez, "respeitando nossos seguidores". 

Ela afirma ainda que por meio desses canais "passamos a publicar conteúdos controlados, vez que não se trata de um reality show onde estaríamos 100% expostos. Pelo contrário, nós escolhemos os conteúdos que publicamos, muitas das histórias são de ficção criadas por nós dentro da temática que abordamos." 

Segundo Fran, que critica a posição da imprensa em meio à polêmica envolvendo seus canais, "não se trata de expor a nossa relação interpessoal e familiar, mas se trata de expor certos acontecimentos nas hipotéticas relações interpessoais familiares em geral, nas quais eventualmente nos incluímos". 

A nota ainda relata que a família recebeu nesses últimos dias quatro pessoas "com o intuito de tratar das reportagens sensacionalistas", se referindo a conselheiros tutelares, que teriam visitado a família após as denúncias. Em seu último post no Instagram, há dois dias, Fran mostrou uma foto da família afirmando que "enquanto algumas pessoas espalham o ódio gratuito, nós seguimos acreditando na família e no amor". Ela fechou a possibilidade de comentários em todas as redes sociais.

Mais do ACidade ON