Aguarde...
Mundo dos Bichos

COLUNISTAS

Como a atriz Camila Pitanga e sua filha contraíram Malária?

A doença é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um dos problemas mais críticos de saúde pública do mundo

| ACidade ON

A malária, doença que recentemente veio à tona pois atingiu a atriz Camila Pitanga e a filha dela, Antônia, de 12 anos, é uma doença considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um dos problemas mais críticos de saúde pública do mundo. Dados ainda não consolidados indicam que mais de 150 mil pacientes foram registrados, somente no Brasil, em 2019 (Representação da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e Organização Mundial da Saúde (OMS) no Brasil.). Diante desse cenário precisamos saber um pouco sobre essa doença.  

A malária é uma doença infecciosa, causada por protozoários do gênero Plasmodium transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles popularmente conhecido como "mosquito prego" (Figura 1), pela posição em pousa, oblíquo à superfície (Figura 2).  

Figura 1 - Anopheles albimanus - www.vectorbase.orgorganismsanopheles-albimanus
Figura 2
 Toda pessoa pode contrair a malária. Indivíduos que tiveram vários episódios de malária podem atingir um estado de imunidade parcial, apresentando poucos ou mesmo nenhum sintoma. Porém, uma imunidade completa, em que o paciente se tornaria imune ao parasito (como acontece em muitas doenças virais comuns) não foi observada até hoje. Caso não seja tratado adequadamente, o indivíduo pode ser fonte de infecção por meses ou anos, de acordo com a espécie parasitária além de poder sofrer crônica ou agudamente com a doença e até falecer por causa da mesma.  

No Brasil, a maioria dos casos de malária se concentra na região Amazônica, composta pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Na região extra-Amazônica, composta pelas demais unidades federativas e o Distrito Federal, apesar das poucas notificações, a doença não pode ser negligenciada, pois se observa alta letalidade, maior do que na região Amazônica. 

A malária não é uma doença contagiosa, ou seja, uma pessoa doente não é capaz de transmitir a doença diretamente a outra pessoa. É necessária a participação de um vetor, que no caso é a fêmea do mosquito Anopheles, infectada por Plasmodium, um tipo de protozoário. Esses mosquitos são mais abundantes nos horários crepusculares, ao entardecer e ao amanhecer. Todavia, são encontrados picando durante todo o período noturno, porém em menor quantidade. Para saber mais, veja esse infográfico diferenciando Anopheles dos demais mosquitos. (Figura 2).  

Quais são os sintomas da malária?
Os sintomas mais comuns da malária são: febre alta; calafrios; tremores; sudorese; dor de cabeça, que podem ocorrer de forma cíclica. Muitas pessoas, antes de apresentarem essas manifestações mais características, sentem náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.  


Quais são as complicações da malária?
A malária grave caracteriza-se por um ou mais desses sinais e sintomas: prostração, alteração da consciência, dispnéia, e/ou hiperventilação, convulsões, hipotensão arterial até choque, hemorragias, além de outros.  

As gestantes, as crianças e as pessoas infectadas pela primeira vez estão sujeitas a maior gravidade da doença, principalmente por infecções pela espécie P. falciparum, que, se não tratadas adequadamente e em tempo hábil, podem ser letais.  

Como é feito o diagnóstico da malária?
O diagnóstico correto da infecção malárica só é possível pela demonstração do parasito, ou de antígenos relacionados, no sangue periférico do paciente, pelos métodos diagnósticos especificados a seguir: Gota espessa, esfregaço delgado, testes rápidos e testes moleculares.  

Como é feito o tratamento da malária?
Após a confirmação da malária, o paciente recebe o tratamento em regime ambulatorial, com comprimidos que são fornecidos gratuitamente em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).  

Somente os casos graves deverão ser hospitalizados de imediato. O tratamento indicado depende de alguns fatores, como a espécie do protozoário infectante; a idade e o peso do paciente; condições associadas, tais como gravidez e outros problemas de saúde; além da gravidade da doença. Não há melhor lugar para você ser tratado do que a rede SUS, local de referência e excelência para doenças endêmicas.  

Como prevenir a malária?
Entre as principais medidas de prevenção individual da malária estão: uso de mosquiteiros, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas e uso de repelentes. 

 

 Para saber mais acesse uma cartilha disponibilizada pela FIOCRUZ, nela você poderá encontrar os centros de Referência para a malária no Brasil: 

Informações sobre a Malária  



Mais do ACidade ON