Publicidade

mundodosbichos

O que você sabe sobre o beija-flor?

A quantidade de nomes do beija-flor só não é maior do que sua beleza e agilidade

| ACidade ON -

Lettering: Jorge Rufino

Também conhecido como colibri, cuitelo, chupa-flor, pica-flor, chupa-mel, binga e guanambi, a quantidade de nomes do beija-flor só não é maior do que sua beleza e agilidade 

A beleza do beija-flor é indiscutível. Esguios, brilhantes e rápidos como um raio, esses pássaros são donos de uma capacidade de voo incrível. Trata-se de uma ave pequena e leve, com peso entre 2 e 6 gramas, e comprimento que vai de 6 a 12 cm.   

O menor pássaro do mundo é um representante dos beija-flores. Chamado beija-flor zumbidor (Mellisuga helenae), conta com cerca de 5 cm de comprimento e 2 cm de envergadura (extensão da ponta de uma asa até a outra).  

Existem mais de 320 espécies diferentes desse pássaro, todas encontradas apenas nas Américas. A maioria delas vive na América do Sul, sendo que praticamente a metade existe só no Brasil.  

Sua alimentação consiste basicamente em néctar, obtido pela inserção do seu longo bico e da sua língua bifurcada nas flores preferidas. Por conta de suas frequentes visitas à flora, esse pássaro é um poderoso agente polinizador. Além do néctar, se alimenta também de pequenos insetos. 

A anatomia do beija-flor é diferente do que se costuma ver no mundo das aves. Suas asas têm um formato específico e, em conjunto com os músculos que as movimentam, fazem com que o animal seja o único capaz de voar para trás e produzir movimentos extremamente rápidos e precisos, impossíveis para outras espécies. Suas asas chegam a bater 90 vezes por segundo e, enquanto voa, seu coração chega a 1.260 batidas por minuto. Em repouso, bate 480 vezes por minuto. Além disso, como boa parte das aves, tem a visão bastante apurada e é capaz de enxergar acima do espectro ultravioleta.  

Os beija-flores são animais monogâmicos, ou seja, têm apenas um parceiro. Os filhotes nascem cegos e pelados, e depois de 4 semanas já aprendem a voar.  


Texto: Luisa Dentello

Mais notícias


Publicidade