Aguarde...
Mundo dos Bichos

MEIO AMBIENTE

O fenômeno dos cardumes

A união de seres pode formar um grande espetáculo e ainda ser uma tática para evitar os predadores

| ACidade ON

Foto: Divulgação
 

 Mais do que um simples conjunto de peixes da mesma espécie que nadam de maneira sincronizada, os cardumes são um tipo de agrupamento extraordinário, que se articula em uma malha altamente organizada e consegue se mover como se fosse um único organismo vivo.  

Esse comportamento pode ser considerado uma adaptação evolutiva, pois mantém um grande número de indivíduos numa região com melhores condições de vida, desfrutando de uma boa temperatura e alimentação. Por outro lado, em momentos de tensão, o cardume pode se reunir para demonstrar um tamanho maior e confundir o predador, ou ainda envolvê-lo em uma massa homogênea e dificultar seu ataque. Afinal, diante de um maior número de presas em potencial, é muito mais complicado para o predador focalizar uma única presa.  

Para ilustrar o fenômeno, os ictiólogos costumam utilizar o seguinte exemplo: Uma pessoa, situada no canto de uma sala, atira bolinhas de papel em direção a outra pessoa (situada na outra extremidade), que deve agarrar essas bolinhas. Imagine que, no começo, seja atirada apenas uma bola. Assim fica fácil de agarrar, certo? O foco do pegador está apenas em uma "vítima". Aos poucos, o número de bolinhas vai aumentando: de uma para duas (ainda continua fácil), de duas para três (já começou a complicar), de três para quatro (e o foco do pegador já está confuso). E se fossem atiradas centenas de bolinhas ao mesmo tempo? É isso o que ocorre com os predadores diante dos cardumes. Quando um animal focaliza uma vítima dentro do cardume, centenas de peixes começam a se mover rapidamente e confundem seu foco.

Essa resposta impressionante só é possível por conta de uma estrutura conhecida como linha lateral, que consiste em um sistema de canais localizados sob as escamas dos peixes. Nas paredes internas desses canais, que se estendem da cabeça até a cauda do animal (em ambos os lados), existem células que captam vibrações na água. À medida que os peixes nadam, a água entra pelos canais e percorre todo o corpo, ativando as células da região. Assim, o deslocamento do predador movimenta a água e ativa algumas células da linha lateral mais intensamente do que outras, "avisando" cada peixe do cardume sobre o lado de que o perigo se aproxima. Como o cardume se comporta como um único organismo, a vibração é recebida por todos os indivíduos e a reação é praticamente instantânea. O grupo então reage a esse estímulo dinâmico de maneira sincronizada, transformando-se em um mosaico vivo.  

O cardume funciona como um grupo cooperativo, no qual ninguém lidera ninguém é tudo na base do Maria-vai-com-as-outras. No entanto, existe uma relação de sacrifício recíproco, na qual os peixes se arriscam pela proteção do grupo. Quando um predador se aproxima, é provável que os indivíduos que estão na parte mais externa sejam as vítimas, por estarem mais expostos e cansados. Por isso, é feito um revezamento dentro do próprio cardume, e os animais da borda trocam de lugar com os do miolo, dividindo os riscos e os benefícios da formação.  

A reprodução nos cardumes também é favorecida, já que é muito mais fácil encontrar um parceiro para a reprodução dentro de um grande grupo, onde um maior número de óvulos podem ser fecundados. Além disso, movimentar-se em grandes agrupamentos é muito mais prático, já que o corpo de cada indivíduo libera um líquido que diminui o atrito com a água e permite nadar com menos esforço e maior agilidade.  

Outro benefício importante dos cardumes é a vantagem na hora de caçar. Da mesma forma que os peixes formam um grande organismo para fugir do ataque de animais maiores, eles também se agrupam para obter mais êxito como caçadores, já que conseguem localizar mais facilmente as presas e se deslocar com mais rapidez dessa forma. Entre associações benéficas e agrupamentos instintivos, os cardumes se constituem em uma maravilhosa demonstração da força da união na natureza.


Cardumes caseiros 

Você sabia que existem peixes que formam cardumes dentro de aquários? Pensando nisso, muitas pessoas compram duas ou mais espécies diferentes, com a intenção de obter cardumes mais exóticos. No entanto, essa prática deve ser evitada, já que os peixes se relacionam melhor em grupos formados por indivíduos da mesma espécie. Muitos dos pequenos peixes de cardume são ideais para aquários, incluindo o Nuvem Branca (também chamado de falso Neon), que gera um aspecto de leveza, além de alguns das espécies Danios e Rasboras e a maior parte dos Barbos. No caso de aquários maiores, os peixes Arco-Íris são ótimos pela distribuição de cores.
 

Texto: Sabrina Q. Fernandes, Maria E. Senna