Publicidade

mundodosbichos

A história do homem com a água

Especial semana do meio ambiente - parte II

| Mundo dos bichos -

A Água é o principal recurso que viabiliza e atrai a instauração de comunidades humanas, e a presença do homem é o que atrai e movimenta os processos da economia. Homens precisam de casas (mercado imobiliário), alimentos (agricultura, pecuária, indústria alimentícia), bens de consumo (mercado tecnológico, indústria automobilística), roupas (indústria têxtil), remédios (indústria farmacêutica), serviços básicos (assistência médica, educação, lazer) e uma infinidade de recursos (infraestrutura, redes bancárias, comércio, etc.). Homens constituem famílias e se multiplicam, fundam empresas, contratam mão de obra estrangeira, elevam seu padrão de vida, investem em novos negócios, começam novas famílias, geram dívidas, ampliam seu consumo, comprometem sua renda, liquidam seu patrimônio, recomeçam do zero. E na origem de toda essa dinâmica, está a água. Sem ela, os mecanismos da economia emperram.   

 


 Desde as culturas mais antigas, a água guarda íntima relação com o desenvolvimento social. O declínio da sociedade maia teve como estopim a escassez da água. No Egito, o Nilo permitiu o florescimento de uma cultura extraordinária, cuja dinâmica acompanhava as cheias do rio.   


Leia também a parte I 

Diante desse cenário, os aquíferos representam um extraordinário recurso econômico, e constituem não apenas uma reserva de água, mas uma reserva de capital. E, obviamente, se aquífero significa dinheiro, significa também poder político. Dessa lógica, surgem dois desdobramentos imediatos. Por um lado, ter em seu território um dos maiores aquíferos do mundo coloca o Brasil e seus 3 vizinhos em uma situação privilegiada no contexto mundial. Por outro, deter tamanho potencial de riqueza e de influência política pode tornar esses países um alvo para o resto do mundo.  

Em 2012, diferentes veículos da mídia divulgaram informações de que os Estados Unidos estariam instalando uma base de operações no Paraguai, país abrangido pelo Guarani. A intenção era ocupar um aeroporto internacional construído em uma região praticamente despovoada. O aeroporto, que estranhamente dispõe de uma megaestrutura, tem 3,5 quilômetros de extensão, sistema de aterrisagem noturna, bombas de rastreamento e numerosos radares.    

Com o suposto intuito de abastecer camponeses, foram perfurados poços para extração de água do Guarani nessa região. Fontes revelam que moradores paraguaios nunca receberam essa água. Apesar disso, o governo estadunidense alega não ter nenhum interesse no aquífero, e justifica seu avanço com o intuito de combater o narcotráfico e oferecer suporte humanitário ao país. Seja como for, a proximidade da base à região do aquífero constitui uma coincidência no mínimo peculiar.  

A busca por recursos hídricos é uma questão primordial para diversas nações ao redor do mundo, e as perspectivas indicam que esse problema vai se tornar cada vez mais intenso, frequente e globalizado, e pode motivar o surgimento de graves conflitos. Essa não seria, porém, a primeira vez que a temática da água levaria a guerras.  

Guerras motivadas pela agua não é um fenômeno recente na história da humanidade  

Grande parte dos países assolados pela falta de água está no Oriente Médio, área naturalmente conflituosa por motivos históricos. Nesses territórios, a disputa por uma região estratégica tem motivado diversas batalhas entre israelenses, palestinos e jordanianos. A região das colinas Golã, palco desses conflitos, é estratégica não por causa do seu posicionamento geográfico ou de questões religiosas, mas sim porque abriga um recurso extremamente valioso: água.  

Ter um aquífero em seu território equivale a ter uma jazida de ouro em estado líquido. Ouro que flui, que se renova lentamente, que é desejado por todas as nações do mundo e que, por esse motivo, torna-se cada dia mais raro. Nos dias de hoje, cerca de 1/3 da população mundial não dispõe de acesso à água potável, e esse número não para de crescer. Em meio a esse cenário desastroso, os aquíferos surgem como uma das grandes esperanças de salvação da humanidade. E o país que contar com um aquífero em seu solo terá nas mãos, ou sob os pés, o recurso mais importante de todos.   

Não deixe de conferir a parte III

Sabe-se que a água garante o equilíbrio ecológico, estrutura a sociedade, fortalece a economia e amplia o poder político. Mas a propriedade mais importante da água é outra: água significa vida.  

Continua...  

*design e ilustr

Mais notícias


Publicidade