Publicidade

no pé do café

Amarelinho do cafeeiro: a doença fatal que pode destruir lavouras; saiba como evitar o problema

A Xylella Fastidiosa é a bactéria responsável por destruir os cafezais por meio da praga do amarelinho

| No Pé do Café -

 

O amarelinho, causado por uma bactéria transmitida por cigarras, pode ser a causa da morte súbita de muitas plantas de café (Foto: Reprodução/YouTube)

 

O amarelinho, causado por uma bactéria transmitida por cigarras, pode ser a causa da morte súbita de muitas plantas de café. Aliado às bactérias, as secas, os veranicos, frios, calores intensos, geadas e granizos, também, ajudam a afetar a saúde da lavoura. 

Para controlar a praga e evitar perda de lucros, é necessário que o cafeicultor controle as cigarras transmissoras da bactéria, além de nutrir adequadamente o cafezal. Vale lembrar que a avaliação de um engenheiro agrônomo é sempre recomendado. 

COMO IDENTIFICAR 

DICA - Para identificar o adoecimento do cafezal pela bactéria, é necessário observar se os cafeeiros apresentam a cor amarelada por mais de um dia. Se caso o pé de café morrer depois do sintoma e outras plantas também adoecerem e morrerem é sinal de preocupação. 

AMARELINHO 

Embora raro, a morte súbita do pé de café pode ocorrer com qualquer lavoura. Por isso, é importante que o produtor saiba identificar o problema para evitar perda de lucratividade e produtividade do cafezal. 

A doença é causada pela praga do amarelinho, ou Xylella Fastidiosa, que é uma bactéria famosa por adoecer lavouras importantes para a economia. A bactéria chega até o cafezal através de cigarras que usam as plantas de café como alimentação. 

Além disso, a falta de informação pode fazer com que o cafeicultor utilize muitos componentes químicos que podem prejudicar ainda mais o controle hormonal das plantas. 

Dessa maneira, o clima intenso, aliado à bactéria, leva as plantas a adotarem a cor amarelada, que antecede a morte súbita. 

Para mais informações sobre o amarelinho do cafeeiro, basta acessar o link abaixo: 

  

*Com supervisão de Luciana Félix.


Publicidade