Aguarde...
ON Adventure - ACidade ON

Vertical Adventures apresenta

bora ligar o modo on
em nossas aventuras

ON Adventure

Conheça os novos skatistas da seleção brasileira júnior.

A equipe é formada por 16 jovens de diversas localidades do país, que se preparam para competir nas futuras olimpíadas.

| ON Adventure

Fonte: Com informações da Folhapress

Surge uma nova seleção de skatistas brasileiros: a mirim. Criada por Bob Burnquist, de 44 anos, recordista de medalhas do X-Games e ex-presidente da Confederação Brasileira de Skate (CBSk). São atletas de até 16 anos que se preparam para os Jogos Olímpicos de Paris 2024 e Los Angeles 2028, que disputarão as modalidades park e street. 

A equipe é formada por 16 jovens, sendo oito meninas e oito meninos, com atletas pertencentes a diferentes regiões do país, desde polos onde o skate é bastante popular, como Florianópolis e São Paulo, até lugares onde o esporte não possui tanta visibilidade, como Manaus e Maceió.

Daniela Vitória, 11 anos, é de Manaus e enfrentou algumas dificuldades para treinar, principalmente durante a pandemia. A jovem também conta como começou no esporte, tendo o pai, Whelkle, como referência. "Ele andava de skate. Eu ficava observando e, quando ele ia beber água, eu pegava o skate e começava a remar. Aí comecei a passear na pista inteira. E teve uma moeda de troca. Eu chorava muito na entrada da escola. Ele falou: 'se você parar de chorar, te levo na pista todo final de semana'. Parei de chorar e tirei ótimas notas na escola". "Se ela não fizesse seus deveres, não ia para a pista", diz Marilene, mãe de Daniela, que no início tinha medo que a filha se machucasse. "Quando se machucava, ela escondia de mim. Mas hoje já é bem diferente, vi que ela se envolveu muito, fico até admirada."

Carla Karolina, 15 anos, de Maceió, também conheceu o skate pelo pai, Carlos Henrique dos Santos, mais conhecido como Bob. "Via meu irmão, meu pai e os amigos andando, aí eu pegava um skate ou outro, remava, e chegou o dia que eu falei que queria um skate. [Disseram] 'Não, filha, skate machuca, não pode'. Mas eu falei que queria, ele me deu um de supermercado, daqueles bem fraquinhos. Com três dias o skate quebrou, quando tentei dar um ollie [manobra]", recorda Karol. Ela conta que no início costumava andar numa praça de Maceió que nem sequer tinha pista. Ao perceber o talento da filha, Bob procurou na internet cursos básicos e começou a construir os obstáculos. Até hoje são os equipamentos fabricados pelo pai que ela utiliza nos treinos do dia a dia.

Já Pedro Carvalho, 15 anos, vem de uma realidade bem diferente. Ele é residente de Florianópolis e seu pai, Cahuê, sempre gostou de surfar, levando junto o filho, que pegava ondas até entre suas pernas. Mas foi no skate que o garoto se encontrou. A capital de Santa Catarina é um dos polos do esporte no Brasil, e desde cedo Pedro dividia pista (e fazia amizade) com figuras como o xará Pedro Barros, campeão mundial da modalidade olímpica park. Na pandemia, quando não podia treinar nos locais públicos ou compartilhados, ele usava a pista da própria casa.

Mas mesmo com as diferenças de contexto social, skatistas de todas as idades, do Norte ao Sul do país, se unem em prol de uma causa: o combate ao preconceito sobre os praticantes do esporte. Pedro conta que mesmo em Florianópolis já presenciou cenas de discriminação. "Pessoas que eu conheço que, quando chamava para andar de skate, os pais não deixavam, achavam algo errado. Mas é esporte, você está na rua conhecendo gente nova. Ainda mais com as Olimpíadas, isso tem mudado", afirma Pedro, otimista com o futuro e que sonha um dia participar da principal competição do esporte mundial.

Todos os integrantes da seleção contam com um consultor técnico, médico, psicólogo e fisioterapeutas bancados pela confederação. Parte da verba vem do que a entidade recebe do COB (Comitê Olímpico do Brasil) dos recursos das loterias federais, mas a maior quantia sai da própria CBSk. Em 2021, a previsão é que sejam investidos R$ 420 mil na seleção júnior.

Confira o elenco da Seleção de Base do Skate Brasileiro Júnior:

- Park feminino
Erica Leguizamon (Garopaba-SC)
Maitê Demantova (Curitiba-PR)
Raicca Ventura (Santo André-SP)
Marina Brauner (Pelotas-RS)

- Park masculino
Pedro Carvalho (Florianópolis-SC)
Vicenzo Damasio (Garopaba-SC)
Victor Ikeda (São Paulo-SP)
Kalani Konig (Florianópolis-SC)

- Street feminino
Carla Karolina (Maceió-AL)
Giovana Moreira (Niterói-RJ)
Thais Ávila (Rio de Janeiro-RJ)
Daniela Vitória (Manaus-AM)

- Street masculino
Matheus Teixeira (Passo Fundo-RS)
Kalani Konig (Florianópolis-SC)
Guilherme Sato (Ponta Porã-MS)
Filipe Mota (Pato de Minas-MG)

Mais do ACidade ON